Capacitação DocenteOpinião

Karina Tomelin e as competências do professor do futuro

0

“Durante boa parte da minha trajetória profissional, passei o fim de cada ano – e início do seguinte – preparando as semanas de planejamento e capacitação de professores“, conta a consultora educacional Karina Nones Tomelin.

“Quem está nos bastidores desses eventos sabe os desafios da organização, especialmente nas grandes instituições de ensino superior.”

Esta experiência, no entanto, mostrou a Tomelin que a maior dificuldade não está no orçamento apertado, no atraso de algum fornecedor, na ausência de um palestrante ou na queda de energia na cerimônia de abertura. Longe dos problemas operacionais que sempre dão um frio na barriga, o maior desafio é a efetividade e o resultado prático desses encontros.

Na entrevista a seguir, Karina Tomelin destaca a importância da capacitação docente e do desenvolvimento de competências àqueles que ensinam.

Habilidades metodológicas, socioemocionais, analíticas e digitais vêm sendo cada vez mais requeridas para a profissão docente.

Habilidades metodológicas, socioemocionais, analíticas e digitais vêm sendo cada vez mais requeridas para a profissão docente. Crédito: Unsplash.

Leia mais: A sala de aula do futuro é digital

Como as capacitações e formações continuadas contribuem para o desenvolvimento da prática pedagógica e melhoram a experiência de aprendizagem dos estudantes? Poucas vezes encontramos a resposta para esta pergunta. Um dos motivos é porque, por mais que as instituições tenham alguns indicadores para avaliação da performance docente, nem sempre conseguem estruturar seus resultados para gerar feedbacks efetivos com o planejamento de ações para melhoria.

Certamente, nenhum professor deseja ser um péssimo profissional. Nenhum professor fica feliz com uma aula ruim ou com alunos desatentos. O que acontece é que nem sempre está muito claro o que pode ser feito, ou seja, poucas vezes o professor sabe o que fazer para melhorar.

Por outro lado, as capacitações oferecidas atendem aos professores de maneira genérica, não reconhecendo as dores e fragilidades individuais e diárias da sala de aula. O sentimento de frustração e perda de tempo, infelizmente, é muito comum nestes encontros e muitos professores não se sentem estimulados a participar, muito pelo contrário, sentem-se “obrigados” comportando-se como seus alunos mais preteridos.

O desconhecimento das competências necessárias para atuar em sala de aula também é um desafio. Acreditar que um bom professor é o que tem vasto repertório técnico é relevante, porém isso não é o essencial. Habilidades metodológicas, socioemocionais, analíticas e digitais vêm sendo cada vez mais requeridas para a profissão docente.  Na verdade, em muitas outras profissões.

Segundo o relatório do Fórum Econômico Mundial (2020) sobre o futuro dos empregos, as principais competências para o profissional do futuro para os próximos cinco anos serão o pensamento analítico e inovação, aprendizagem ativa, resolução de problemas, pensamento crítico e criatividade.

Leia mais: Por que se fala tanto em competências para a educação

Sendo o professor o profissional que forma todas as outras profissões, como poderá ajudar a desenvolver as competências do profissional do futuro nos seus alunos se, muitas vezes, ele não as possui? Toda esta realidade me levou a pensar em alternativas viáveis e efetivas para a formação. Alternativas que trouxessem um olhar particular, gerassem dados, permitisse a  autoanálise e auxiliassem na indicação de soluções.

Nesta perspectiva, um primeiro passo é mapear as competências docentes a partir do diagnóstico, da aderência, considerando as principais fragilidades e fortalezas dos professores da instituição. O mapeamento dessas competências contribui para a orientação do processo de admissão, promoção da integração do novo professor à cultura institucional, desenho de indicadores internos de performance e o planejamento de ações de formação continuada.

E quais são as competências do professor do futuro? Olhar para as mudanças que a revolução tecnológica têm trazido ao cenário educacional, mobiliza a revisão de currículos, metodologias e estratégias além das habilidades e competências do professor. No quadro a seguir, apresentamos as competências divididas em quatro grandes áreas: digital, metodológica, analítica e socioemocional.  Veja no quadro, como elas se manifestam no professor dos próximos anos:

Reconhecida as principais competências, torna-se necessário avaliar o nível de aderência dos professores a cada uma delas. Isto é importante para que o docente tenha um feedback e consiga  perceber suas fortalezas e suas fragilidades. O diagnóstico torna-se um mapa que passa a orientar a instituição e o professor no direcionamento das formações e no desenvolvimento de planos de ação.

Neste sentido, instrumentos que auxiliam no mapeamento das competências, que desenvolvam a autorreflexão e a autorregulação, promovendo uma cultura de auto-aprendizado constante e efetivo é essencial. É o caso da Adere, uma plataforma analítica que permite às instituições e ao professor o diagnóstico e mapeamento das principais competências docentes, a partir da  parametrização da sua intensidade e atributos da profissão.

Sobre a autora

Karina Nones Tomelin, psicóloga, pedagoga, mestre em educação. Professora desde os 19 anos de idade. Já atuou no Ensino Infantil, Fundamental, Médio, Superior e Pós-Graduação. Tem mais de 15 anos de experiência na área de formação docente e apoio discente e atuou em grandes grupos educacionais do Brasil. É diretora de Inovação e Qualidade na B42, co-fundadora da Simplifica Edtech e idealizadora do Educabox.

Redação
A redação do portal Desafios da Educação é formada por jornalistas, educadores e especialistas em ensino básico e superior.

    VOCÊ PODE GOSTAR

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.