Ensino SuperiorGestão educacional

Crise adia entrada no ensino superior, revela pesquisa da Educa Insights

0

Confirmando a tendência observada em 2020, a maioria dos potenciais alunos vai adiar a entrada na graduação superior. Segundo a pesquisa “Observatório da Educação Superior: análise dos desafios para 2021”, 38% dos entrevistados têm a intenção de entrar na faculdade no segundo semestre de 2021. Outros 13% devem começar em 2022.

O levantamento foi realizado pela empresa de pesquisas Educa Insights, em parceria com a Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES). Foram entrevistados 1.024 potenciais alunos. São homens e mulheres de todas as classes sociais, entre 17 e 50 anos, com interesse de fazer um curso de graduação presencial ou EAD nos próximos 18 meses.

A pesquisa é uma continuidade do estudo “Coronavírus vs Educação Superior: o que pensam os alunos e como sua IES deve se preparar” realizada em cinco etapas ao longo de 2020. A divulgação dos dados foi realizada em uma coletiva de imprensa virtual na terça-feira (9).

Entre outras razões, o aumento de casos decorrente da segunda onda da covid-19 adiou a entrada no ensino superior. Crédito: Marcello Casa/Agência Brasil.

Entre outras razões, o aumento de casos decorrente da segunda onda da covid-19 adiou a entrada no ensino superior. Crédito: Marcello Casa/Agência Brasil.

À espera da vacina. E da nota do Enem

Entre outras razões, o aumento de casos decorrente da segunda onda da covid-19 provocou queda no interesse de começar a faculdade no primeiro semestre de 2021. Em novembro passado, essa era a intenção de 38% dos entrevistados. Três meses depois, em janeiro, só 25% manifestavam tal interesse.

A constatação é puxada pelo desinteresse na modalidade presencial. Era intenção de 33% dos entrevistados, no fim de 2020, ingressar em um curso presencial em 2021/1. No levantamento atual, o porcentual caiu para 14%.

Em cursos a distância, a queda foi de 46% para 38%.

Acredita-se que os indicadores melhorem à medida que a vacinação avançar.

Outro fator nesse contexto de desinteresse é o adiamento do Enem – que, na última edição, teve a maior abstenção da história. “Esse ano teremos menos alunos entrando no ensino superior privado pelo Enem e isso impactará as IES”, disse Daniel Infante, sócio-fundador da Educa Insights.

Daniel Infante.

O desafio das instituições de ensino superior, segundo Infante, é criar mecanismos para facilitar o ingresso dos alunos na graduação. “Se não facilitar essa entrada no ensino superior, é perigoso empurrarmos essa demanda para mais um ou dois anos.”

Na avaliação do diretor presidente da ABMES, Celso Niskier, esperar o fim da pandemia para se matricular em curso de graduação é se submeter ao risco de perder oportunidades. “O Brasil vai precisar de profissionais qualificados no pós-pandemia e as IES estão preparadas para oferecer a melhor educação, independente do formato”, afirmou.

No entanto, Niskier reconhece que o índice de desemprego prejudica a captação de alunos no ensino superior, principalmente no modelo presencial, onde o valor da mensalidade tende a ser maior.

Leia mais: Alunos do 3° ano querem adiar a faculdade. Saiba o impacto desse movimento nas IES

Redação
A redação do portal Desafios da Educação é formada por jornalistas, educadores e especialistas em ensino básico e superior.

    VOCÊ PODE GOSTAR

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.