Ensino SuperiorGestão educacional

Curricularização da extensão abre espaço para projetos integradores

2
Devido a pandemia a curricularização da extensão deve ser implementada até janeiro de 2023. Créditos: Pexels.

Devido a pandemia a curricularização da extensão deve ser implementada até janeiro de 2023. Créditos: Pexels.

Em dezembro de 2018, o Conselho Nacional de Educação (CNE) estabeleceu as diretrizes para a inclusão de atividades de extensão nos currículos dos cursos de graduação. Pela legislação, no mínimo 10% da carga horária total dos cursos precisa, obrigatoriamente, ser destinado à extensão.

Inicialmente, as instituições de ensino superior (IES) ganharam um prazo de três anos para se adaptarem às regras. Mas, devido à pandemia, a data limite foi estendida por mais um ano. Com base no Parecer 498/2020², publicado em 28/12/2020, a curricularização da extensão deve ser implementada até janeiro de 2023.

Como observou Gustavo Hoffmann, em artigo sobre o modelo educacional pós-covid, a curricularização da extensão deveria ser vista pelas IES como um importante elemento de aproximação entre a academia e o mundo real. Isto é, uma oportunidade que abre espaço para o desenvolvimento de projetos integradores.

Leia mais: Com projetos integradores, centros universitários organizam novas formas de ensinar

O que diz a legislação

A extensão mira dois objetivos principais. Ao mesmo tempo que estimula a formação integral do aluno como cidadão crítico e responsável – por meio de atividades práticas e, preferencialmente, interdisciplinares –, ela promove a transformação da realidade social que cerca as instituições.

Os programas, projetos, cursos, oficinas e prestação de serviços devem estar vinculados à formação do estudante. Também devem envolver comunidades externas, com foco em áreas de grande pertinência social, como comunicação, cultura, direitos humanos, justiça, educação, meio ambiente, saúde, tecnologia e trabalho.

Os atores parceiros incluem empresas, instituições sociais e a comunidade em geral.

Leia mais: Parceria entre faculdades e empresas aumenta conexão do aluno com mercado de trabalho

Como componente curricular, o projeto integrador exige acompanhamento, orientação e avaliação docente.

Como componente curricular, o projeto integrador exige acompanhamento, orientação e avaliação docente.

A extensão ao lado da pesquisa e do ensino, como tripé norteador da educação superior, não é uma novidade. Mas, além de fixar sua participação em no mínimo de 10% da carga horária total dos cursos, as diretrizes do CNE estabelecem os parâmetros de aplicação e avaliação das atividades extensionistas. Cabe às IES, portanto, manter projetos sistematizados e mensuráveis.

Segundo a legislação, a curricularização da extensão deve estar sujeita à contínua autoavaliação crítica. Entre os requisitos a serem avaliados estão:

  • Articulação entre ensino, pesquisa, formação do estudante e qualificação docente;
  • Relação com a sociedade e participação dos parceiros;
  • E resultados alcançados com essas ações.

No caso dos cursos ofertados na modalidade a distância (EAD), as atividades devem ser realizadas presencialmente em região compatível com o polo de apoio presencial no qual o estudante está matriculado.

Quero projetos integradores sistematizados, mensuráveis para curricularizar a extensão na minha IES

O papel dos projetos integradores

“A curricularização da extensão pode estar alicerçada em projetos integradores entre cursos e institucionalmente”, explica Ana Pascottini, especialista acadêmica da +Campus, plataforma de OPM para IES que queriam desenvolver e ofertar cursos de ensino a distância. Dessa maneira, segundo ela, saberes e capacidades acadêmicas se articulam em prol de ações que tenham impacto na sociedade.

Ao proporcionar essa vivência “extra muros”, a curricularização da extensão e os projetos integradores ainda garantem os seguintes benefícios aos alunos:

  1. Capacitação quanto ao domínio das competências de organização, gestão e desenvolvimento de projetos, bem como das competências afetivo-relacionais envolvidas no processo;
  2. Oportunidade de desenvolvimento de trabalho de natureza acadêmico-prático que possa traduzir a articulação entre os conhecimentos adquiridos no curso de origem e as atividades profissionais reais;
  3. Diagnosticar necessidades e propor projetos para o atendimento de demandas sociais, desenvolvendo projetos de extensão a partir da vivência nas organizações e comunidade;
  4. Estimular o trabalho e a aprendizagem em grupo a partir de metodologias ativas e dos estudos obtidos em cada semestre.

Além disso, como componente curricular, o projeto integrador exige acompanhamento, orientação e avaliação docente.

Sua estrutura deve atender a um ciclo evolutivo de aprendizagem, com aprofundamento dos conteúdos a cada semestre. “Sempre levando em conta as especificidades dos cursos e o perfil profissional que se pretende formar”, completa Pascottini.

VOCÊ PODE GOSTAR

2 Comentários

  1. Qual o documento do MEC extendeu o prazo para implantação da curricularização da extensão até janeiro de 2023?

    1. Márcia, bom comentário. Colocamos a informação no texto, mas, a saber aqui também, trata-se do Parecer 498/2020², publicado em 28/12/2020, que prorroga o prazo para implementação da Curricularização da Extensão conforme a Resolução Nº 7 de 18/12/2018: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=157501-pces498-20&category_slug=setembro-2020-pdf&Itemid=30192

      Obrigado pela pergunta!

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.