EADGestãoOpinião

EAD: como pequenas IES podem se diferenciar dos grandes grupos

0
Sala da aula da Uniítalo, em São Paulo. Crédito: divulgação.

Sala da aula da UniÍtalo, em São Paulo. Crédito: divulgação.

Estudos indicam que, se as modalidades da educação superior mantiverem as atuais taxas de crescimento anual, entre 2022 e 2023 o número de alunos ingressantes na EAD será maior do que o número de ingressantes no ensino presencial.

O movimento se deve, sobretudo, aos seguintes fatores:

  • Mudança recente do marco regulatório, permitindo às instituições de ensino superior (IES) credenciadas a abertura de 50 a 250 polos (dependendo do conceito institucional da IES) por ano, sem a necessidade de visita in loco do Ministério da Educação (MEC) para autorização de funcionamento;
  • Aumento do portfólio de cursos ofertados. Até pouco tempo, os cursos de Pedagogia e Administração representavam mais de 50% do número de matrículas na modalidade. Hoje, os cursos superiores de tecnologia vêm crescendo e, mais recentemente, houve um aumento considerável do número de matrículas nos cursos de Engenharia;
  • Demanda por flexibilidade e preço. Considerando a redução da oferta do Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies), e a crise econômica pela qual passa o Brasil, a maioria da população elegível para o ensino superior não teria condições econômicas de pagar as mensalidades de um curso presencial;
  • Oferta de cursos híbridos, que representa uma nova modalidade de ensino não presencial;
  • Entrada de pequenas e médias IES no mercado de EAD.

Leia mais: Faculdades equilibram descontos para não perder margem e alunos

Ou seja, a tendência que nos próximos anos haverá mais polos, mais cursos e mais IES ofertando EAD. O que torna quase obrigatória, com algumas raras exceções, a entrada das IES no jogo da educação a distância. Os dados do último Censo (2017) mostram que 37% dos ingressantes já estão em cursos de EAD. A tendência é aumentar.

Mas como entrar em um jogo em que 70% das matrículas estão nas mãos de apenas 5 grupos? A resposta é simples. Fazendo algo diferente!

Leia mais: Fusões e aquisições desafiam pequenas instituições de ensino superior

O jogo da escala já tem dono. Dificilmente uma pequena ou média IES conseguirá ter a mesma eficiência e, consequentemente, adotar os mesmos preços dos grandes grupos educacionais. Para entrar no jogo, as pequenas e médias IES devem oferecer uma proposta de valor diferenciada. Como fazer isto?

Sem dúvida, há bons caminhos que ainda não foram potencialmente considerados no Brasil. Pragmaticamente, há cinco diferenciais a serem explorados pelas IES (novas entrantes) que desejam fazer parte da nova era da EAD.

5 caminhos para a diferenciação na EAD

Força da marca: Pesquisas mostram que os alunos preferem estudar em IES que possuem fortes marcas locais do que em uma grande IES de marca nacional.

Infraestrutura do campus: A grande maioria da oferta de EAD no Brasil acontece em polos minimamente estruturados, geridos por um parceiro que não possui infraestrutura universitária. A oferta de educação a distância dentro de um campus acaba sendo um diferencial, pois permite que o aluno conviva e experimente um ambiente universitário, mesmo que com menor frequência em relação a um curso presencial.

Corpo docente: Na prática, os encontros presenciais e boa parte da interação online de um curso tradicional de EAD são moderados por tutores menos qualificados do que um professor. Em alguns casos, possuem graduação em uma área diferente da disciplina que ministra. Sem dúvida, uma tutoria realizada por docentes pode trazer mais qualidade à oferta – desde que tenham vocação para a modalidade, claro.

Qualidade do modelo ofertado: Aí está, na minha opinião, o principal aspecto de diferenciação. Estamos caminhando para um modelo de ensino híbrido, que utiliza tecnologias de informação e comunicação que já funcionam relativamente bem na EAD tradicional, mas isso conciliado com momentos presenciais.

Quando trabalhamos com o modelo híbrido, a oferta do conteúdo se dá através de um ambiente virtual de aprendizagem (em inglês, learning management system – LMS). Isso permite que o aluno acesse o conteúdo, disponibilizado em vários formatos, em qualquer hora, em qualquer lugar.

Essa flexibilidade permite ao aluno que, porventura, tenha maior dificuldade na assimilação de um determinado conceito, dedique mais horas de estudo àquele problema.

Metodologia: Um dos possíveis formatos de ensino híbrido é a sala de aula invertida. A inversão da sala de aula prevê que tudo que diga respeito à oferta de conteúdo aconteça online, respeitando o ritmo individual de aprendizagem de cada aluno. Isso permite que os momentos presenciais sejam utilizados para a aplicação desse conteúdo, através de metodologias ativas de aprendizagem, ao invés da prevalência da exposição de conteúdo.

Neste modelo, a aula acontece em casa. Ou seja, pelo ambiente virtual de aprendizagem. Já os momentos presenciais, em sala de aula, são utilizados para a aplicação das metodologias ativas. Ou seja, a lição de casa é feita na escola e a aula acontece em casa.

Daí, o termo sala de aula invertida, ou flipped classroom. Pesquisas mostram que a sala de aula invertida, se bem utilizada, funciona melhor do que o ensino presencial tradicional e muito melhor do que o EAD tradicional, quase exclusivamente instrucional.

>>BAIXE UMA AMOSTRA DO LIVRO “GUIA PARA UTILIZAÇÃO DA APRENDIZAGEM INVERTIDA NO ENSINO SUPERIOR”<<

Até mesmo em um modelo de ensino 100% online é possível inovar e se diferenciar. Basta utilizar os momentos síncronos para a aplicação de metodologias ativas online. Isso é possível e já é muito bem utilizado em alguns projetos inovadores nos Estados Unidos, como o Minerva Project.

Aqui no Brasil, algumas IES têm ensaiado este modelo e os resultados são animadores. Já temos tecnologia, já temos conteúdo digital de qualidade, já temos, principalmente, metodologias inovadoras para promovermos uma revolução no ensino superior brasileiro.

O que falta no Brasil é iniciativa. Iniciativa para mudar. Iniciativa para se diferenciar. Enfim, a entrada na EAD é uma questão de sobrevivência, algo imperativo. No entanto, a EAD de escala já tem dono. A diferenciação é fundamental para a entrada nesse jogo que só tende a crescer. A boa notícia é que o caminho está mapeado. Agora, é fazer acontecer.

Gustavo Hoffmann
Gustavo Hoffmann é diretor do Grupo A, membro do projeto SAGAH e do conselho editorial do portal Desafios da Educação, onde escreve mensalmente.

    VOCÊ PODE GOSTAR

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.