Tecnologia Educacional

Edtech: o que é, como funciona e qual a situação no Brasil

0

Formado da união das palavras educação (education) e tecnologia (technology), o termo edtech pode ser entendido ao pé da letra: refere-se às empresas que desenvolvem tecnologias para a educação.

Isso significa que a principal característica de uma edtech é a aplicação sistemática de processos inovadores que facilitam a aprendizagem e aprimoram os sistemas educacionais, segundo definição do Centro de Inovação para a Educação Brasileira (CIEB) e da Associação Brasileira de Startups (Abstartups).

Ou seja, não englobam apenas startups – empresas que estão em seu início, sem plano de negócios ou produto completamente definido. Empreendimentos de operação consolidada também podem ser consideradas edtechs. Não por acaso o Mapeamento Edtech 2020, estudo realizado pela Abstartups e CIEB, mostra que 41% delas têm mais de seis anos de mercado.

Os produtos e serviços oferecidos pelas edtechs tampouco estão restritos ao ensino e à aprendizagem. O portfólio dessas companhias também inclui recursos de gestão pedagógica e financeira de escolas e universidades, que aumentam a eficiência administrativa.

Ou seja, as edtechs oferecem soluções diversas como ambiente virtual de aprendizagem (AVA), laboratórios virtuais, jogos educativos, cursos online, ferramentas de gestão administrativa e financeira, plataformas de avaliação, bibliotecas digitais, ferramentas de tutoria, conteúdo para educação a distância (EAD), recursos de realidade virtual e aumentada. E muito mais.

Em 2020, o mercado global de edtechs teve uma receita estimada em US$ 186 bilhões, segundo o EdTechX Global Report.

A cara das edtechs no Brasil

O Mapeamento Edtech 2020 encontrou 566 empresas em atividade no Brasil. Isso significa um aumento de 26,1% na comparação com a pesquisa anterior, realizada em 2019, quando foram identificadas 449 companhias.

Atualmente, a maioria (58,7%) das edtechs está localizada na região sudeste. O estado de São Paulo é quem lidera o ranking: quase quatro em cada dez edtechs são paulistas.

A região sul é outro polo de desenvolvimento de tecnologias para a educação, sendo a casa de duas em cada dez empresas. Depois vem o nordeste (10,4%), o centro-oeste (8%) e o norte (2,3%).

Leia mais: SAGAH se consolida como referência em soluções educacionais

As edtechs atuam desde a educação infantil (4,4%) até o ensino superior (11%). Embora a educação básica (32,2%) seja o principal foco, muitas edtechs ocupam mais de um segmento, como educação básica e ensino superior em conjunto (22,9%). Há ainda aquelas voltadas à educação corporativa e cursos preparatórios e de idiomas.

Quanto ao modelo de negócios, a metade aposta no SaaS (Software as a Service), programas e soluções de tecnologia fornecidos pela internet. Nesse caso, o cliente não precisa instalar hardware ou softwares, acessando o produto via conexão em rede. Em geral, os produtos são plataformas (46,8%), ferramentas (26%) e conteúdos online (12,4%).

Leia mais: Algetec: maior acervo de práticas virtuais para a educação do mundo  

O momento das edtechs

A eclosão da pandemia de Covid-19 trouxe impactos negativos para diversos setores. Não foi diferente na educação, onde o isolamento social criou desafios para a manutenção das aulas. A boa notícia é que as edtechs responderam rapidamente às demandas das instituições de ensino e possibilitaram a continuidade da educação ao redor do mundo.

Conforme o Mapeamento Edtech, 63,8% das edtechs mantiveram ou aumentaram seu faturamento no ano de 2020. E a grande maioria (88,8%) não tiveram necessidade de fazer demissões durante a pandemia. Na verdade, 40% das edtechs aumentaram o volume de contratações.

Ao mesmo tempo, o período de isolamento social abriu as portas do setor público para as tecnologias da educação. Se antes o mercado estava focado em instituições particulares, hoje 12,9% das edtechs declaram que já venderam suas soluções para escolas e universidades públicas.

Como explicou a diretora-presidente do CIEB, Lúcia Dellagnelo, ao jornal Folha de São Paulo, a chegada ao setor público é uma tendência que depende da oferta cada vez maior de soluções completas e abrangentes. “Quanto mais específico for (o produto), mais difícil será a sua incorporação (às instituições públicas)”, disse Dellagnelo.

Leia mais: Por dentro da Plataforma A: a edtech com experiência completa de ensino e aprendizagem

Nota do editor: Esta é a terceira de uma série de reportagens sobre termos, siglas e conceitos comuns no ensino superior brasileiro. O primeiro texto abordou o funcionamento e a importância do IGC; o segundo explorou o CPC. Os próximos textos vão explicar o mecanismo e a importância do Enade, do IDD, do e-MEC, do Prouni, so Fies e do CI.

Redação
A redação do portal Desafios da Educação é formada por jornalistas, educadores e especialistas em ensino básico e superior.

    VOCÊ PODE GOSTAR

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.