Opinião

O ensino superior é indispensável para alcançar os objetivos de desenvolvimento sustentável

0

*Por Jamil Salmi

A empresa brasileira de aviação, Embraer, é líder mundial na produção de jatos regionais. O sucesso da empresa emblemática do país remonta à criação do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA, Escola Nacional de Engenharia Aeronáutica), no início dos anos 50.

Estabelecida em estreita parceria com o MIT (o primeiro presidente do ITA foi professor do MIT), o ITA treinou cientistas, engenheiros e técnicos que ajudaram a transformar a Embraer em uma empresa líder global. Typhidot é uma técnica revolucionária para diagnosticar febre tifoide.

Inventada por pesquisadores da Universidade de Ciências da Malásia em Penang (USM), a Typhidot é creditada por salvar milhares de vidas. Comparada com os métodos tradicionais de detecção da doença, a Typhidot é mais rápida, mais confiável, mais barata e não requer armazenamento a frio. O Centro de Inovações Médicas da USM, do qual Typhidot se origina, se dedica a encontrar maneiras inovadoras de diagnosticar doenças infecciosas de maneira acessível.

Até o início desta década, a maioria dos professores praticantes nas escolas primárias palestinas estava mal preparada e não possuía diploma universitário.

Depois que os novos regulamentos exigiram que todos os professores tivessem um diploma universitário e uma qualificação profissional de ensino, três universidades da Cisjordânia trabalharam juntas com o apoio de uma renomada instituição britânica de treinamento de professores. O objetivo era revisar radicalmente seu programa de treinamento de professores, introduzindo uma abordagem baseada em competências
e um elemento de experiência escolar.

“As contribuições do ensino superior para o desenvolvimento econômico e social não pode ser mais subestimada pela comunidade internacional”, diz Salmi. Crédito: Pexels.

Reconhecendo o valor do ensino superior

Estes são apenas três exemplos para ilustrar a contribuição única e vital que o ensino superior faz para o desenvolvimento econômico e social. Reconhecendo esse importante papel, o relatório pioneiro de 2000, intitulado Higher Education in Developing Countries: Peril and Promis, pedia a ampliação do investimento em educação e pesquisa terciárias para equipar os países em desenvolvimento com o conhecimento e a mão de obra qualificada necessária para combater a pobreza e acelerar o crescimento econômico.

Escrito por um grupo distinto de especialistas independentes, com
apoio financeiro da UNESCO e do Banco Mundial, o relatório teve um impacto importante em três níveis. Primeiro, ajudou a reorientar as políticas dos doadores para dar maior atenção ao ensino superior nos países parceiros. Segundo, lançou iniciativas de reforma em vários países em desenvolvimento. Terceiro, abriu o caminho para o aumento da colaboração Sul-Sul.

Quinze anos depois, em setembro de 2015, o lançamento dos Objetivos de
Desenvolvimento Sustentável (ODS) pelas Nações Unidas deu um novo impulso ao reconhecimento do papel principal desempenhado pelo ensino superior. De fato, é duvidoso que qualquer país de baixa renda consiga atingir os ODS sem um sistema de ensino superior forte e dinâmico.

Além da contribuição essencial que o ensino superior pode dar aos objetivos de crescimento econômico sustentável (ODS 8) e redução da pobreza (ODS 1), ele avança em todas as outras 15 dimensões, desenvolvendo um setor agrícola forte e construindo uma infraestrutura resiliente para mitigar os efeitos devastadores das mudanças climáticas e preservar o meio ambiente. Isso não pode acontecer sem a participação de cientistas e profissionais bem treinados, e sem a aplicação de pesquisas de ponta na busca de soluções apropriadas para os grandes desafios enfrentados pelo planeta.

 Autor defende que sem o ensino superior não existiria nenhum progresso nos objetivos do desenvolvimento sustentável. Crédito: Agência Brasil.

Autor defende que sem o ensino superior não existiria nenhum progresso nos objetivos do desenvolvimento sustentável. Crédito: Agência Brasil.

Nenhum progresso dos ODS

Com relação ao objetivo de diminuir a desigualdade (ODS 10), o ensino superior desempenha um papel crítico na promoção da mobilidade social por meio de oportunidades educacionais iguais para todos os grupos, especialmente estudantes carentes de grupos de baixa renda, minorias e pessoas com necessidades especiais.

A conquista dos ODS também exige instituições fortes para o desenho e implementação de políticas e cidadãos conscientes que se preocupam com a inclusão social e econômica e a sustentabilidade ambiental. A contribuição do ensino superior é crucial, em particular, para alcançar progressos reais no ensino básico e secundário.

Um estudo recente constatou que mais de um quarto de todos os professores das escolas primárias em 31 países não havia atingido os padrões mínimos de educação. O ensino superior apoia o restante do sistema educacional através do treinamento eficaz de professores e diretores de escolas, o envolvimento de especialistas altamente qualificados no desenvolvimento de currículos e pesquisas educacionais e no design de testes apropriados para avaliar os resultados da aprendizagem dos alunos.

A ligação simbiótica entre o ensino superior e os níveis mais baixos de escolaridade tem o potencial de estimular um círculo virtuoso de capacitação, no sentido de que a qualidade do ensino superior afeta a qualidade do ensino fundamental e médio e, por sua vez, é diretamente influenciada pela qualidade dos egressos do ensino médio.

Um argumento semelhante se aplica ao papel fundamental da educação e
pesquisa médicas para atingir a meta de desenvolvimento sustentável da saúde (ODS 3). As universidades treinam médicos, enfermeiros, técnicos, epidemiologistas, especialistas em saúde pública e gerentes de hospitais que formam o pilar mais importante de qualquer sistema de saúde.

As universidades e os institutos de saúde associados realizam a pesquisa fundamental e uma parcela significativa da pesquisa aplicada que condiciona qualquer progresso significativo na luta contra doenças e riscos à saúde.
Os países em desenvolvimento devem desenvolver sua capacidade de lidar com sérias ameaças à saúde, não apenas por causa das necessidades de segurança doméstica, mas também para contribuir efetivamente para a resolução de crises globais de saúde por meio de pesquisa colaborativa.

De fato, a produção de pesquisa passou de disciplina dirigida para foco em problemas, com diversas equipes de cientistas de várias áreas disciplinares colaborando na resolução de problemas complexos, que geralmente correspondem a desafios compartilhados que afetam a humanidade como um todo, independentemente dos limites políticos.

Esta evolução é melhor ilustrada pelas questões de saúde global que surgiram nos últimos anos, desde a SARS, a MERS e até as mais recentes epidemias de Ebola na África Ocidental.

Leia mais: Outra revolução estudantil?

*Escrito por Jamil Salmi o artigo “O Ensino Superior é indispensável para alcançar os objetivos de desenvolvimento sustentável” está na edição nº 100 da International Higher Education – publicação trimestral do Centro para Ensino Superior Internacional. A tradução é do Semesp.


Sobre o autor

Jamil Salmi é especialista global em ensino superior, professor emérito de política de ensino superior na Universidade Diego Portales, no Chile, e Pesquisador do Centro Internacional de Educação do Boston College, EUA. Este artigo foi adaptado de seu livro de 2017 The Tertiary Education Imperative: Knowledge, Skills and Values for Development. Boston e Rotterdam: Sense Publishers. jsalmi@tertiaryeducation.orgwww.tertiaryeducation.org.

Redação
A redação do portal Desafios da Educação é formada por jornalistas, educadores e especialistas em ensino básico e superior.

    VOCÊ PODE GOSTAR

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.