Ensino Básico

Escola e cidade: espaços de aprender a viver

1
Escola e cidade: Lugares de aprender, conviver e cuidar. Crédito: Pexels.

Escola e cidade: Lugares de aprender, conviver e cuidar. Crédito: Pexels.

Em 2007, foi traduzido no Brasil a obra Tempos Líquidos, de Zygmunt Bauman (1925-2017). Neste livro, o sociólogo polonês explicava o que seriam os tempos de modernidade líquida, afirmando que provisoriedade e incertezas haviam chegado para ficar. Eu só não imaginava que viveria isso tão intensamente e em caráter emergencial.

De fato, os tempos estão imprevisíveis. Em 2020, o mundo virou de cabeça para baixo com a atual pandemia – o maior símbolo desse improviso. Para piorar, 2021 começou como se o ano anterior não tivesse terminado. Sem vacina, seguimos sem planejamento nas diversas áreas; não há plano para a economia, a cultura está sendo silenciada, a educação escolar ocorre basicamente nas casas dos estudantes. O que nos dá uma grande oportunidade para repensar nossas vidas, em todos os sentidos.

Este tempo nos colocou numa experiência em que fomos obrigados a fazer muitas coisas pela primeira vez. Tivemos que enfrentar o medo de errar, de saber dizer “não sei”, de não ter respostas e viver um dia de cada vez. É a provisoriedade permanente.

Por não podermos ignorar o que estamos vivendo é que temos a chance de repensar a educação que estamos oferecendo para as nossas crianças e jovens. Refiro-me àquela que acontece na escola e que também precisa acontecer para além dela. Afinal, todos os espaços sociais são educadores por natureza.

Escola e cidade

É desta perspectiva que vou desenvolver algumas ideias que podem ajudar àqueles que trabalham ou se interessam pela educação. Serão três ou mais artigos publicados quinzenalmente aqui no Desafios da Educação.

A ideia é tratar de temas que, muitas vezes, naturalizamos na escola, mas que exigem transformações urgentes. Só poderemos fazer isso repensando o papel da escola na contemporaneidade ao delimitar o que é realmente relevante para garantir sua existência em tempos tão instáveis. O objetivo ajudar a tirar a escola do seu espaço apartado da comunidade em que está situada geograficamente, para entender que a cidade também é currículo.

Leia mais: “Isolamento é oportunidade de tirar a escola de ativismo sem sentido”

Convido o leitor a caminhar ao meu lado, permitindo-se refletir pelas trilhas que escolhi para apresentar minhas inquietações sobre os espaços educativos a que as crianças e jovens têm direito de escolher viver – e a colaboração que a escola pode fazer neste sentido.

Não são soluções que pretendo apresentar, mas indagações a partir da realidade que tenho a oportunidade de conhecer nesses 30 anos viajando pelo Brasil, dialogando com os educadores de contextos diversos e podendo conhecer muitos tipos de cidades do Brasil e do mundo. São experiências que me possibilitaram pensar melhor sobre o espaço urbano e sua relação com a escola. Especialmente a partir do momento que conheci as chamadas Cidades Educadoras, que são exemplos reais de múltiplas possibilidades de aprendizagem.

Leia mais: Muros, paredes, salas de aula: qual é a imagem que sua escola transmite?

Ainda tenho muito a aprender e isso é apaixonante. Porém quanto mais estudo e viajo, mais acredito que podemos trabalhar por mudanças possíveis, que assegurem a todos o direito de serem cidadãos, convivendo em espaços democráticos, seguros e sustentáveis na escola e, principalmente, nas cidades.

Neste sentido, os próximos artigos serão uma tentativa de oferecer uma reflexão sobre o lugar da escola como um importante espaço educador – mas não o único. A partir daí, pensar a cidade como outro espaço que cumpre a mesma função. A cidade como o lugar de ficar e não apenas de passar. O lugar de aprender, conviver e cuidar.

*O link para os artigos serão publicados aqui. Você também poderá conferi-los na página da autora.

Lourdes Atié
Lourdes Atié é socióloga com pós-graduação em Educação pela FLACSO, na Argentina, diretora da empresa Ideias Futuras e membro da comissão editorial da Revista Pedagógica Pátio – Ensino Fundamental e Ensino Médio. E-mail: lourdesatie@terra.com.br

    VOCÊ PODE GOSTAR

    1 Comentário

    1. Vou acompanhar. Parabéns pela reflexão!! Profa Inez- Pensi Cabo Frio e Ceja Arraial.

    Leave a reply

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.