Ensino Básico

Fundeb é aprovado: o que muda no financiamento da educação básica

0

O Congresso Nacional promulgou nesta quarta-feira (26) a Emenda Constitucional 108/2020, que torna permanente o Fundeb – o Fundo de Desenvolvimento e Valorização dos Profissionais da Educação. A proposta foi aprovada ontem, no Dia da Educação Infantil, em dois turnos pelo Senado. O placar: 79 votos favoráveis; nenhum contra.  

Cerimônia de promulgação: novo Fundeb amplia recursos para educação básica. Crédito: Agência Senado.

O Fundeb atende todas as etapas anteriores ao ensino superior e representa 63% do investimento público em educação básica. Os recursos são destinados às redes estaduais e municipais de educação, conforme o número de alunos matriculados na educação básica.  

Criado de forma temporária, em 2007, o Fundeb é a principal fonte de financiamento da educação no país. Sem uma mudança constitucional, o fundo expiraria em 31 de dezembro de 2020. 

Leia tambémPós-pandemia: como reabrir as escolas

O novo Fundeb

Além de tornar o financiamento permanente, a proposta aumenta de forma gradativa a participação da União no Fundeb passando dos atuais 10% até chegar, em 2026, a 23%. Isso ampliará o investimento na educação do país.

Segundo o relator da matéria no Senado, Flávio Arns, em 2026 o investimento chegará a R$ 5,5 mil por aluno. Hoje, esse investimento é de R$ 3,6 mil. Caso o fundo não existisse, o investimento por aluno seria, segundo Arns, em torno de R$ 500. 

A proposta traz ainda novos critérios de distribuição dos recursos do fundo. Esses novos critérios ampliarão em 54% o número de redes de ensino beneficiadas pela complementação da União e, consequentemente, o número de alunos atendidos pelo recurso federal.  

O texto também prevê o chamado Custo Aluno Qualidade (CAQ) – um parâmetro de financiamento educacional – previsto no Plano Nacional de Educação (PNE). Esse parâmetro norteará a aplicação dos recursos educacionais, como a formação continuada dos professores, o acesso à internet, a banheiros, à quadra de esportes, a laboratórios e à biblioteca. Entram na conta ainda dinheiro para pagar despesas com conta de luz e água, entre outras. 

O CAQ também visa garantir uma jornada de sete a dez horas para os alunos e o piso salarial para todos os profissionais da educação, mas dependerá de regulamentação. 

Com as novas regras, que passam a valer a partir do ano que vem, o novo Fundeb ainda precisa de regulamentação específica. Mas o Congresso já articula projetos de lei complementar, mesmo sem uma sinalização oficial do governo sobre o tema.

A medida prevê também a obrigatoriedade de disponibilização de informações e dados contábeis, orçamentários e fiscais por todos os entes federados.   

*Com informações da Agência Brasil

Leia mais: Bolsonaro autoriza flexibilização do ano letivo

Redação Pátio
A redação da Pátio – Revista Pedagógica é formada por jornalistas do portal Desafios da Educação e educadores das áreas de ensino infantil, fundamental e médio.

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.