Insights

As aulas virtuais em massa criam situações inusitadas. Reunimos algumas histórias

0

Com a rápida mudança para a aprendizagem online, professores e alunos descobriram que não é fácil trocar um modelo de ensino da noite para o dia. Principalmente diante de uma pandemia, como a do novo coronavírus, que paralisou as cidades.

Apesar da quarentena, o espírito das aulas presenciais vive. Só que na internet. O portal Desafios da Educação selecionou algumas histórias engraçadas (e muito humanas) das aulas remotas. Elas mostram que, em tempos de isolamento, a descontração é uma ótima solução para diminuir a distância entre alunos e professores.

Leia mais: Quando as aulas voltarem eu não quero que tenha “aula”


Professor bom pra cachorro

Marcos Antônio Balbino, 59 anos, é professor de Geografia para turmas que vão do 6º ano do fundamental II ao 3º ano do ensino médio de uma escola particular e da Prefeitura Municipal de São Paulo. Uma das primeiras lições que aprendeu na quarentena foi que os alunos do 8º ano absorviam melhor o conteúdo das aulas, em comparação com os que eram das turmas do 6º e 7º ano.

Professor Marcos Balbino ministrando aula virtual com o seu cachorro. Crédito: Arquivo pessoal.

Aulas virtuais, histórias engraçadas: professor Balbino e o cão Totti. Crédito: Arquivo pessoal.

Além da falta de conhecimento sobre a plataforma, a questão da atenção às aulas exigia outra dinâmica. “A partir dessa leitura, resolvi apresentar o meu Totti aos alunos”, explicou Balbino, em referência ao cão Beagle de estimação.

O professor prometeu que ao fim da tarefa apresentaria o companheiro os alunos. “A ideia (simples) foi tentar tornar aquele momento mais alegre e divertido. E mostrar que as aulas não são chatas, que podemos aprender e se divertir também”, disse o professor. “Fiquei muito feliz de ver a reação deles de surpresa. Foi muito divertido, para mim e para eles.”


Por que existe o “mute”?

Quem responde é Marissa Fusi, professora de matemática de uma escola de ensino médio da Califórnia: “Eu estava em uma reunião virtual com a nossa equipe de instrução e meu filho, que estava no outro quarto, começa a gritar ao fazer uma pergunta. Três segundos depois, minha filha diz baixinho: ‘Cala a boca, Andrew‘”. Assim que a menina falou, Fusi ouviu umas risadinhas: seus colegas ouviam tudo. “Está é a razão pela qual o botão mudo existe”, explicou ao EdSurge.

Leia mais: Vai dar aula a distância? Aqui estão 5 plataformas que você pode usar


Um é pouco, dois é bom, três (não) é demais

O professor e coordenador do curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Ritter do Reis (UniRitter), Geferson Barths, é pai de trigêmeos de seis anos. Ele diz que os dias de home office têm sido importantes para humanizar o trabalho e unir a família.

Professor Gefersson Barths e os trigêmeos. Crédito Arquivo pessoal.

Professor Gefersson Barths e os trigêmeos. Crédito Arquivo pessoal.

“Aqui em casa, tenho chamado os filhos para dar um “oi” para os alunos nas aulas virtuais e demais reuniões. É sempre muito positivo para quem está do outro lado. A alegria e ingenuidade das crianças pode contagiar e amenizar a dor daqueles que estão vivendo dias difíceis”, disse Barths.

“Em contrapartida, os filhos passam a entender o trabalho como algo positivo, divertido e importante também para a vida deles. Nesse período de isolamento social, as relações familiares são mais intensas. Precisamos olhar as dificuldades com as lentes do amor e fazer desse período um grande aprendizado. Por aqui estamos tentando.”


Professor, eu tenho uma dúvida

Em uma sala de aula, é normal comunicar o professor quando você precisa sair para ir ao banheiro, por exemplo. Bom, um aluno publicou em seu perfil no Tik Tok o momento em que pediu permissão ao professor para dar uma saidinha.

@deeko17##fup ##funchallenge ##funny ##comendy ##onlineclass ##onlineclasses ##professor ##ihaveaquestion♬ original sound – deeko17


Esse é o momento deles

Eric Rodriguez é pai de duas crianças. Ele mora em Phoenix, Arizona, e concluiu que é fundamental deixar os filhos controlar a própria narrativa nas aulas virtuais. Ao EdSurge, ele contou: “Meu filho entrou na sua primeira sessão de Zoom com os outros educadores de infância, mas se vestiu de Miles Morales [do filme “Homem-Aranha: no Aranhaverso”]. Minha filha estava vestida como Elsa [de “Frozen”]. Eles pensavam: ‘Este é o nosso momento!'”

Criança assisti aula online vestido de homem aranha. Crédito: Edsurge

Aulas virtuais, histórias engraçadas: criança assiste aula online vestido de Homem-Aranha. Crédito: Edsurge

Raspando o cabelo

Dan Adler, professor de ciências da 6ª série em uma escola de Massachusetts (EUA), disse ao EdSurge que durante uma das aulas virtuais pediu que a esposa cortasse seu cabelo. “Era minha segunda vez na plataforma Zoom, eu estava pensando em maneiras de envolver os meus alunos na aula e também havia cancelado o meu corte de cabelo na semana passada. Então, pensei: ‘Tenho cabelo demais e quero dar às crianças algo para se reunir e rir.'”

Leia mais: O valor da empatia na educação digital – durante e depois da quarentena

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.