Metodologias de Ensino

Como ser mais maker e menos tela no ensino remoto

0
Cultura maker no ensino remoto; aluno cria a sua própria maquete. Crédito: Divulgação.

Aluna de Três Lagoas (MS) produz maquete: cultura maker pode ser incentivada no ensino remoto. Crédito: Divulgação.

Nos últimos anos, a ideia do “faça você mesmo” (do it yourself, em inglês) ganhou força dentro das escolas. Juntamente com a cultura maker, ela causou mudanças no jeito de ensinar dos professores – e de aprender dos estudantes. A atual pandemia, porém, obrigou os alunos aprenderem longe das instituições de ensino, em casa, em frente à tela do computador ou do celular.

Mas será que a aprendizagem remota se dá exclusivamente na frente de um computador?

“Obviamente não”, responde Lana Paula Crivelaro, pós-doutora em Educação e especialista em metodologias ativas e formação de professores. “Existem inúmeras possibilidades de fazer um trabalho colaborativo em projetos usando diferentes ferramentas de metodologias ativas”, acrescenta ela, que é diretora da RL Consultoria Educacional.

Segundo Crivelaro, o grande equívoco das escolas tradicionais é não entenderem que o modelo presencial é totalmente diferente do virtual. Logo, não tem como transferir as horas da sala de aula para a frente do computador.

“Mas colocar o aluno como protagonista do aprendizado também pode se dar no ensino remoto”, explica. O isolamento social e o uso das plataformas digitais como ferramenta de ensino não devem desencorajar os educadores a pensarem em aulas mais participativas e menos expositivas.

Leia mais: Como promover aprendizagem ativa em uma sala de aula virtual

Como ser maker

A cultura maker possibilita que o aluno seja protagonista da sua própria aprendizagem e aprenda de forma mais ativa, mesmo no ensino remoto. “O maker está ligado ao fazer e experimentar”, diz a professora Paula Carolei, coordenadora do curso de Design Thinking da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Para a educadora, as experiências mão na massa podem ser feitas em casa ou com experiências virtuais que sejam mais imersivas e exploratórias. O professor não precisa dar uma aula online, mas pode proporcionar projetos interdisciplinares e desafios para os alunos resolverem de forma autônoma.

Só depois acontece os encontros remotos para discutir e debater o que foi aprendido no processo. O que exige planejamento.

Especialistas defendem um ensino remoto mais imersivo e menos expositivo. Crédito: Pexels.

Especialistas defendem um ensino remoto mais imersivo e menos expositivo. Crédito: Pexels.

Ser menos tela e mais maker não é deixar de dar aulas, mas fazer o aluno aprender além da aula. Esse é, portanto, o desafio dos docentes. “O que falta é formação de professores para entender que isso é possível”, diz Lana Paula Crivelaro.

A aprendizagem criativa e prática pode (e deve) ser explorada da educação básica ao ensino superior. Na primeira, os alunos podem fazer experimentos com materiais caseiros ou de fácil acesso. Também é possível fazer aulas praticas como dramatização, registro de atividades físicas e criações artísticas.

Já no ensino superior os estudantes conseguem discutir e aprofundar as informações dadas pelo professor na realização de trabalhos práticos. As redes sociais também podem ser utilizadas na construção do aprendizado do aluno.

Leia mais: Ambiente aberto a criatividade é um dos desafios da educação contemporânea

Para o professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) e líder de indústria da IBM, Luiz Carlos Faray, o ensino presencial proporciona uma criatividade coletiva que faz falta no modelo remoto. “O aluno aprende através de experiências que no ambiente digital podem ficar comprometidas”, diz Faray.

Ele reconhece, entretanto, que existem experiências digitais que podem tornar a aprendizagem virtual mais engajadora. Faray é pai de uma criança de oito anos e sente na pele as vantagens de ensinar de forma criativa.

“Toda atividade em que o meu filho tem que fazer algo – e não só ficar sentadinho na frente do computador assistindo uma aula – aumenta o divertimento dele, aumenta a interação com os amigos e certamente a capacidade cognitiva dele também é tocada.”

Enquanto o ensino dentro da sala de aula ainda não é possível, ensinar através de atividades baseadas em projetos e métodos de aprendizagem criativa são soluções muito agradáveis e engajadora para que o aluno possa se desenvolver.

Leia mais: Covid-19 impulsiona metodologias ativas no ensino a distância

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.