AvaliaçãoGestão educacional

Como funcionará o novo modelo de avaliação multidimensional da Capes

0

O ano de 2021 marca o início de um novo ciclo – e modelo – de avaliação multidimensional dos programas de pós-graduação (PPGs) stricto sensu do Brasil.

A principal mudança é que a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) deixará de dar uma nota única – que hoje vai de 3 a 7 – para os 4.062 programas de mestrado e doutorado em atividade. Em vez disso, a agência ligada ao Ministério da Educação classificará os programas em cinco dimensões:

  1. Ensino e aprendizagem;
  2. internacionalização;
  3. produção científica;
  4. inovação e transferência de conhecimento;
  5. e impacto e relevância econômica e social.

Cada dimensão receberá uma nota. Segundo Jorge Audy, coordenador da Comissão Nacional de Acompanhamento do Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG 2011-2020), a avaliação por dimensão ajudará a reconhecer as diversidades, vocações e qualidades dos PPGs.

Até então, o modelo de avaliação privilegiava indicadores de pesquisa e ensino, como o impacto das publicações científicas – o que foi importante para expandir a pós-graduação no Brasil desde a década de 1960, mas se tornou insuficiente para compreender a diversidade dos cursos.

Os primeiros resultados da avaliação multidimensional serão divulgados em 2025, após o encerramento da avaliação quadrienal (2021-2024).

Sede da Capes em Brasília. Crédito: Py4nk/ Wikimedia Commons.

Sede da Capes em Brasília. Crédito: Py4nk/ Wikimedia Commons.

Como nasceu a avaliação multidimensional

A maior reestruturação do modelo de avaliação dos PPGs foi gestada há quatro anos. Segundo a revista Pesquisa Fapesp, quando saíram os resultados da quadrienal 2013-2016 a direção da Capes encomendou ao conselho tecnocientífico da instituição um estudo sobre aspectos do sistema que mereceriam ser aprimorados.

“Depois de uma consulta a especialistas e organizações vinculadas à pós-graduação, duas sugestões principais emergiram: a importância de que as universidades fizessem uma autoavaliação de seus programas, declarando o que esperavam deles e se a expectativa se cumpriu, e a adoção de métricas sensíveis a diferentes propósitos que os cursos de pós-graduação podem ter além de fazer pesquisa de qualidade, como auxiliar o desenvolvimento regional e interagir com o setor produtivo.”

Em 2018, a Capes enviou uma comissão técnica à Europa para conhecer o U-Multirank, ferramenta de avaliação de universidades que parecia atender aos anseios de mudança no modelo brasileiro.

O U-Multirank analisa cinco indicadores: ensino e aprendizagem, pesquisa, transferência de conhecimento, orientação internacional e engajamento regional. O resultado é exibido em um diagrama com cinco cores, uma para cada dimensão. As cores têm tonalidades diferentes de acordo com a performance, o que ajuda a visualizar os pontos fortes e fracos da instituição.

A ferramenta foi desenvolvida em 2014 pelo Centro de Educação Superior em Gütersloh, na Alemanha, e pelo Centro de Estudos sobre Políticas em Educação Superior da Universidade de Twente, na Holanda. Até 2019, era utilizado por universidades de 96 países, incluindo o Brasil, por meio das três universidades estaduais paulistas USP, Unicamp e Unesp.

Embora inspirada no U-Multirank, o novo modelo tem uma metodologia diferente, adequada aos propósitos da avaliação da Capes.

Leia mais: Pós-graduação: Coleta Capes fecha quadrienal para todos os programas do país

Crédito: Revista Pesquisa Fapesp.

A história das avaliações

A avaliação da Capes sempre teve um efeito indutor no funcionamento do sistema brasileiro de pós-graduação. Afinal, a nota é usada como critério para a distribuição de bolsas e de recursos.

Até 1996, a Capes classificava os programas por sistema de letras – de A até E. Na avaliação seguinte, passaram a ser avaliados com notas de 1 a 5 para os cursos que tinham apenas mestrado e até 7 para os que incluíam doutorado.

Em 1998, a diferença entre as notas 6 e 7 decorria de critérios como inserção internacional e corpo docente com experiência em centros do exterior. Segundo reportagem da revista Pesquisa Fapesp, a internacionalização da pesquisa tornou-se um parâmetro importante, ante as evidências de que a produção científica em colaboração com instituições do exterior tinha impacto, medido em citações, quatro vezes maior do que a realizada internamente.

ebook stricto sensu

Redação
A redação do portal Desafios da Educação é formada por jornalistas, educadores e especialistas em ensino básico e superior.

    VOCÊ PODE GOSTAR

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.