1

Recebemos um e-mail do leitor Jorge Badia com o seguinte comentário: “Tenho acompanhado (e ficado chocado) com a interferência de alguns pais nos ambientes virtuais” em que seus filhos estudam. Segundo nosso leitor, que é advogado e mora em Petrópolis (RJ), há pais que costumam interromper a aula para fazer observações e até mesmo discutir com o professor. “Minhas filhas e as demais crianças ficam constrangidas.”

Ficamos preocupados com essa experiência e consultamos nossas fontes para saber: Os pais podem interromper o professor durante a aula online do filho?

Aqui estão suas respostas.


Fatima Delphino, coordenadora de pós-graduação em Educação do Centro Universitário Salesiano de São Paulo (Unisal)

“Os pais não podem entrar durante a aula online do filho. Porque é uma aula como outra qualquer. Não é na escola mas o professor também não gosta que invadam o espaço da sala de aula. Pelo fato da aula ser em casa, os pais se sentem mais à vontade com isso, mas eles não devem entrar. E sim respeitar como um espaço escolar. Atualmente eles cobram muito das instituições e dos professores. Notamos que no passado os professores eram que davam as cartas, diziam como as coisas deviam ser, mas hoje em dia os pais querem fazer um caminho inverso e quer interferir. Mas isso não é aconselhável. Isso não é bom. Isso não ajuda a criança.”

Lourdes Atié, socióloga com pós-graduação em Educação, diretora da empresa Ideias Futuras e membro da comissão editorial da Revista Pedagógica Pátio – Ensino Fundamental e Ensino Médio

“Não pode. Este momento é entre o professor e o estudante. Deixe que eles se entendam como na sala de aula. Seu filho precisa construir esta autonomia. Se quer falar com a professora, marque um horário com ela, fora do momento em que ela está trabalhando com seu filho. É muito importante manter este respeito pelos espaços de cada um.”

"Os pais não podem entrar durante a aula online do filho. Porque é uma aula com outra qualquer", afirma Fatima Delphino. Crédito: Pexels.

Autonomia: os pais não podem interromper e falar com o professor durante a aula online dos filhos, segundo especialistas. Crédito: Pexels.

Janine Rodrigues, educadora e escritora na Piraporiando

“Somente se estiver previamente acordado e com regras claras. É preciso cuidado para não ocorrer um desvio de foco da liderança do professor – não parecer que o familiar naquele momento tem mais poder de decisão ou ‘sabe mais’ que o professor. Na educação infantil, por exemplo, a criança precisa de um mediador, ajudador. Mas ainda assim fique atento às orientações do professor para não dar a impressão de que na escola, com o professor, se se faz de um jeito e, em casa com a família é de outro. A proposta é não criar uma concorrência entre estes ‘fazeres’ e sim que eles sejam complementares. Assim o estudante perceberá que a família e a escola têm papéis diferentes, complementares e de igual importância no que se refere a educação.”

Shyrleide Gomes, professora de matemática e robótica do Fundamental I e II do Colégio Marista de Maceió

“O papel dos pais é assessorar, principalmente no que diz respeito à diversidade de materiais utilizados – texto, podcasts etc. Com esse ensino de tal forma remoto, os caminhos utilizados pelo professor visam a aprendizagem através da autonomia. Comandos mais curtos, práticas mais longas. As trilhas de aprendizagem são sequências de atividades eficazes, elaboradas em diferentes mídias com o objetivo de serem complementares entre si e de construírem o conhecimento a respeito de um determinado tema. Surgiram dúvidas? Quer sugerir algo novo? Complementar ou dar feedback? Muitos aplicativos têm a opção de chat para comunicação com coordenação e professores. Mas, no momento da aula, a construção do conhecimento é do elemento mais importante do processo: o aluno.”


TEM UMA PERGUNTA PARA O DESAFIOS DA EDUCAÇÃO?

Envie para a coluna QUESTÃO DE EDUCAÇÃO. Escreva para redacao@desafiosdaeducacao.com.br ou publique-a em nossas redes sociais – estamos no Facebook Instagram , Linkedin Twitter  e YouTube. Abrimos ESTE ESPAÇO para tirar dúvidas de gestores, professores, pais e alunos em questões pertinentes à educação em tempos de pandemia.

Leia também

>> Posso perder a bolsa de estudos se não fizer as tarefas online durante a quarentena?

>> Sou legalmente obrigado a “enviar” meu filho para a escola online?

>> Lições da quarentena: o desafio de fazer ciência em casa

>> 5 sugestões para os alunos que vão estudar a distância em tempos de coronavírus

>> Como os pais podem apoiar o estudo dos filhos durante a quarentena

>> Quando as aulas voltarem eu não quero que tenha “aula”

Leonardo Pujol
Leonardo Pujol é editor do Desafios da Educação e sócio-diretor da República – Agência de Conteúdo.

VOCÊ PODE GOSTAR

1 Comentário

  1. É interessante este ponto e ao mesmo tempo é contraditório.

    Hoje se cobra mais participação dos pais da educação dos filhos mas ainda ficamos presos a conceitos como este, de que a sala de aula, mesmo remota, é ambiente sagrado e não se admite interferências externas.

    Claro que são necessárias regras estabelecidas, mas partindo do ponto que o aluno está tendo aulas em seu ambiente familiar e sua família está envolvida no processo, é perfeitamente justificável esta “interferência”, desde que, obviamente, se sigam as regras e se tenha respeito.

    As aulas poderiam ter alguns minutos específicos para isso. Acredito que muitos pais poderiam contribuir muito neste sentido. Outro dia meu filho estava tendo aula sobre a comunicação através de peças publicitárias. Como é a minha formação e área de atuação, pude contribuir bastante sobre o que estavam estudando.

    Diante da comoção para que pais cada vez mais participem da vida escolar, qual escola permitiria a participação de um pai ou mãe na sala de aula? Algumas privadas, talvez. Públicas, hoje desconheço. Até pouco tempo os pais não podiam passar do portão.

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.