0

Por Robert Pianta e Bart Epstein*

A relação entre educação e tecnologia nunca foi fácil. O papel da tecnologia na sala de aula tem sido sujeito a todos os tipos de escrutínio ao longo dos anos, muitos deles justificados, outros não.

As preocupações incluem os efeitos do tempo de tela nas mentes dos jovens, junto com questões sobre se os robôs substituirão os professores.

A tecnologia educacional consiste em milhares de ferramentas. Como com qualquer outra ferramenta, algumas são melhores do que outras e nem todas as ferramentas são adequadas para todos os trabalhos.

Antes da pandemia da covid-19, estava claro que a tecnologia faria parte da educação agora e no futuro. Mais de US$ 13 bilhões são gastos em “soluções” de tecnologia anualmente.

Uma narrativa predominante antes da pandemia era o suposto desejo do Vale do Silício de assumir o controle de nossas escolas. Estava no centro das histórias sobre uma rebelião anti-tecnologia nas escolas do Kansas, as implicações do big data para a privacidade dos alunos e a ineficácia dos bilhões de dólares que as escolas gastam em tecnologia a cada ano.

Agora o vírus introduziu outra reviravolta inesperada, tornando-se um “teste de estresse” para a escolaridade – e deixando bem claro que a tecnologia educacional deve fazer parte do futuro de uma forma muito mais sistemática e eficaz.

Leia mais: Pós-pandemia: especialistas projetam ensino superior do futuro

Uma pesquisa recente conduzida pela University of Virginia (UVA) e pelo EdTech Evidence Exchange descobriu que uma parcela esmagadora de educadores vê um aumento acentuado da necessidade de atenção e instrução individualizada como resultado dos desafios de aprender em casa, incluindo acesso desigual à tecnologia e vários níveis de apoio de adultos atenciosos.

Muitos educadores também dizem que fornecer esse tipo de suporte personalizado a dezenas de milhões de alunos será quase impossível sem melhorar drasticamente a maneira como selecionamos e usamos a tecnologia educacional.

Nove em cada 10 entrevistados consideram a tecnologia educacional se tornando mais ou muito mais importante nos próximos três anos.

Muito rapidamente, a tecnologia se tornou a principal tábua de salvação para as escolas, em um momento em que a importância do ensino presencial se tornou mais clara do que nunca.

A pandemia também deixou dolorosamente claro o quanto – ou quão pouco – várias escolas e distritos têm feito no que diz respeito ao uso eficaz da tecnologia educacional para apoiar os alunos.

Uma enxurrada de histórias sobre o número de alunos desconectados trouxe à mente a famosa admoestação de Warren Buffett de 2002 aos seus acionistas: “Você só descobre quem está nadando pelado quando a maré baixa”.

Leia mais: Lições do coronavírus: tecnologia educacional é caminho sem volta

Muitas escolas, sem falar nas empresas de tecnologia, não investiram em pessoal, infraestrutura, processos, treinamento e suporte necessários para permitir que professores e alunos se beneficiassem do poder da tecnologia educacional moderna.

Então, quando a tecnologia de repente se tornou a melhor – se não apenas – esperança das escolas, nenhum dos lados estava pronto para isso.

Isso pinta um quadro sombrio do potencial da tecnologia para ajudar o sistema educacional dos Estados Unidos a se recuperar da pandemia. Mas a tecnologia educacional será essencial para uma recuperação rápida e completa – e um uso muito mais robusto da tecnologia será fundamentalmente importante para preparar o sistema educacional para o futuro.

Leia mais: O que vem por aí: a educação depois da primeira onda da pandemia

Acontece que o coronavírus também revelou alguns aspectos positivos inesperados. Para algumas escolas, a pandemia estimulou melhorias rápidas no uso da tecnologia – de maneiras que não teriam acontecido sem a pandemia, mas provavelmente permanecerão eficazes mesmo quando a crise passar.

Além disso, um olhar abrangente em Summit Aprendizagem – o programa por trás do chamado rebelião em Kansas – descobriu que ele foi muitas vezes fazendo bem em seu potencial para “transformar o ensino e aprendizagem para melhor.”

Programas como o Summit podem fornecer a ponte de que as escolas precisam para continuar a instrução de maneira eficaz após a pandemia. Vários outros exemplos nas últimas semanas, do Texas a Massachusetts, sugerem que a pandemia criou uma oportunidade única – e talvez contra-intuitiva – para escolas e distritos repensarem o uso da tecnologia de maneiras que atendam melhor aos alunos.

À medida que as escolas foram forçadas a uma nova forma de ensino, elas estão começando a reconhecer o valor de algumas dessas ferramentas, muitas das quais antes não utilizadas, mal utilizadas ou subutilizadas.

Como resultado, é possível que a covid-19 force um uso mais baseado em evidências da tecnologia educacional de que escolas e distritos precisam. E podemos aprender os melhores e mais eficazes usos da tecnologia nas escolas – e o melhor e mais importante papel das interações e relacionamentos pessoais em ambientes educacionais.

Resolver isso pode ser uma forma de alavancar o valor da tecnologia enquanto preserva, protege e nutre as contribuições essenciais de educarmos juntos pessoalmente.

Esses são sinais promissores de que a relação entre educação e tecnologia pode estar mudando lentamente para melhor. Claro, isso não significa que resolvemos todos os problemas. No momento, é difícil para as escolas prever quais das mais de 7.000 ferramentas de tecnologia provavelmente se encaixam bem. Muitas decisões são baseadas em marketing e nomes de marcas, ao invés de evidências do que funcionou em contextos semelhantes.

Como nação, coletamos relativamente poucas evidências sobre o que funciona e sob quais circunstâncias. Os esforços existentes têm consistentemente carecido de financiamento para conduzir a pesquisa independente de que 14.000 distritos precisam desesperadamente, já que gastam coletivamente bilhões de dólares federais a cada ano em ferramentas que muitas vezes não funcionam.

Leia mais: Startups de educação crescem 23%. E vão crescer ainda mais depois da pandemia

Temos um longo caminho a percorrer antes de concretizarmos totalmente a promessa da tecnologia na educação. Mas a mudança que estamos começando a ver em algumas escolas, longe do medo e em direção ao potencial, é um primeiro passo crítico para garantir que a tecnologia possa realmente ser uma força positiva na sala de aula.

Podemos olhar para trás e ver isso como uma das vantagens inesperadas desta pandemia: ela está forçando a consertar algumas barreiras na relação difícil entre educação e tecnologia. Isso pode estimular escolas e distritos a lutarem pelas informações de que precisam para tomar decisões mais fundamentadas sobre o que comprar e como é usado.

Uma melhor compreensão do que funciona, onde e por que nos ajudará a usar a tecnologia de forma mais eficaz – para realmente fazer uma diferença significativa nos resultados de aprendizagem dos alunos.

*Robert Pianta é reitor da Escola de Educação e Desenvolvimento Humano da University of Virginia. Bart Epstein é professor associado de pesquisa da UVA e CEO da EdTech Evidence Exchange.


Esta história, editada pelo Desafios da Educação, foi produzida pelo The Hechinger Report, uma organização de notícias independente e sem fins lucrativos com foco na desigualdade e inovação na educação.

Redação
A redação do portal Desafios da Educação é formada por jornalistas, educadores e especialistas em ensino básico e superior.

    VOCÊ PODE GOSTAR

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.