Opinião

Outra revolução estudantil?

0

*Por Philip G. Altbach e Thierry M. Luescher

Nos últimos meses, ocorreram grandes distúrbios sociais em mais de uma dúzia de países e regiões. Entre eles estão Argélia, Bolívia, Grã-Bretanha, Catalunha, Chile, Equador, França, Guiné, Haiti, Honduras, Hong Kong, Iraque, Cazaquistão, Líbano e muito mais. Em muitos casos, esses movimentos sociais abalaram profundamente o sistema existente e o resultado final permanece incerto.

Embora as causas de cada um desses movimentos sejam diferentes, assim como os principais atores, parece haver alguns elementos comuns. Os alunos foram essenciais em muitos movimentos e participaram de todos eles, mesmo quando não foram centrais.

Homem com cartaz escrito “Abolish hate!! End racism!!” (Abolir o ódio! Acabar com o racismo, em português) em protestos nos Estados Unidos. Crédito: NBC News/ Reprodução.

Causas imediatas e subjacentes

Nem as causas imediatas nem as causas subjacentes da maioria das muitas revoltas recentes estão relacionadas a questões da universidade, como tarifas ou outras questões do campus. A única exceção seja talvez o Chile, onde demandas de longa data para a implementação de promessas gratuitas de ensino se entrelaçaram com questões sociais mais amplas.

De fato, o caso do Chile é bastante típico. O atual movimento de protesto foi desencadeado por um aumento nas tarifas de metrô e foi inicialmente liderado por estudantes do ensino médio e da universidade. Em seguida, espalhou-se muito além de sua base de estudantes e da questão da tarifa, para protestos sobre desigualdades sociais (o Chile é um dos países mais desiguais da América Latina), com mais de um milhão de pessoas se manifestando em Santiago em 25 de outubro de 2019.

Na maioria dos casos, os movimentos de protesto foram desencadeados por uma questão específica, mas logo cresceram muito além. Os contínuos protestos de Hong Kong, novamente envolvendo, em várias ocasiões, mais de um milhão de pessoas (um quinto da população total), começaram por se opor a uma proposta de lei de extradição que permitia às autoridades enviar pessoas condenadas por um crime à China continental.

Os protestos logo se expandiram para demandas por democracia, identidade separada de Hong Kong e, subjacente a tudo isso, amplo descontentamento com os custos de moradia e desigualdades. Os protestos iraquianos, liderados por estudantes, mas logo unidos a todos os segmentos da sociedade e se espalhando pelas principais cidades do país, começaram com processos de corrupção e falta de serviços básicos e logo se espalharam para um descontentamento com a influência iraniana no país e em outros problemas.

Um elemento subjacente comum a praticamente todos esses movimentos de protesto é a insatisfação com a desigualdade social, o crescente abismo entre ricos e pobres e a sensação de que grandes segmentos da população foram “deixados de fora” pelas políticas neoliberais e pela insensibilidade da “classe política”. Nesse sentido, as causas da atual onda de agitação social não são diferentes das forças que contribuíram para a eleição de Trump nos Estados Unidos ou para o Brexit no Reino Unido.

Pode-se olhar também para os movimentos no norte da África e no Oriente Médio que geraram a “Primavera Árabe” no início de 2010. A Primavera Árabe foi inicialmente conduzida por jovens, graduados desempregados e estudantes. Isso refletia um descontentamento semelhante com a ordem política estabelecida e muitas vezes repressiva. O aumento da desigualdade social e o profundo pessimismo sobre as perspectivas de emprego após a graduação criaram uma força poderosa para o ativismo.

Movimentos estudantis; Americanos participam de protestos sociais.

Revolução estudantil; Americanos participam de protestos sociais. Crédito: Unsplash.

Variáveis do século XXI

Os movimentos de protesto atuais têm várias características significativas. Eles tendem a não ter líderes — dificultando a negociação das autoridades com os manifestantes, ou mesmo o próprio movimento de apresentar um conjunto coerente de demandas ou justificativas. Sua própria espontaneidade lhes dá energia e imprevisibilidade.

Eles começam muito pacificamente — embora haja com frequência pequenas facções que se envolvem em violência na periferia das manifestações de massa — e às vezes se deterioram em batalhas de rua com a brutalidade policial se tornando um fator para escalar, sustentar ou reprimir protestos

E, é claro, as mídias sociais, uma força especialmente poderosa entre jovens e estudantes, tornaram-se a ferramenta-chave para criar conscientização, mobilizar e organizar movimentos. Muitos dos movimentos estudantis mais conhecidos da década passada envolveram grandes campanhas online.

A hashtag #FeesMustFall, que começou na África do Sul em 2015, foi tão cativante que foi retomada pelos movimentos estudantis na Índia e Uganda em outubro e novembro de 2019 para fazer exigências semelhantes. Para os governos, o poder da mídia social nos movimentos continua sendo um desafio e, em muitos lugares, a resposta tem sido desacelerar a Internet ou criar blecautes nas mídias sociais.

O papel dos estudantes

Os estudantes foram os principais iniciadores de vários movimentos ativistas
recentes — Hong Kong e Iraque são bons exemplos. Em outros, como os “gilets jaunes” (coletes amarelos) na França, os estudantes não desempenharam nenhum papel nas origens do movimento e nem sempre foram força-chave.

O envolvimento dos estudantes não significa, no entanto, que questões
relacionadas à educação sejam um tema-chave, mesmo quando os estudantes são participantes-chave. E é justo dizer que, diferentemente dos movimentos ativistas da década de 1960, os estudantes não foram os atores centrais em todos os movimentos, mas eles têm pelo menos apoiado os atores na maioria e foram líderes em alguns.

A década desde a Grande Recessão foi aberta com protestos estudantis. De fato, embora 2019 tenha se tornado o ano internacional dos protestos de rua, são os estudantes que começaram a sair às ruas, protestando contra políticas de austeridade e aumentando a desigualdade social nos anos que antecederam o tempo presente. O gatilho foram as tentativas dos governos de privatizar cada vez mais o custo do ensino superior como parte das políticas de austeridade.

Ao longo da década, em Bangladesh, Grã-Bretanha, Chile, Alemanha, Índia, Itália, Malásia, Quebec, África do Sul, Coréia do Sul, Uganda e assim por diante — em todos os continentes — houve grandes protestos estudantis sobre as tarifas.

Uma dimensão adicional, e talvez um precursor de tendências futuras, é o envolvimento de estudantes do ensino médio em movimentos ativistas — e em alguns casos, como Chile e Hong Kong, em lutas políticas, mas mais importante no crescente ativismo ambiental global.

O que testemunhamos em 2019 pode não ser uma revolução estudantil como foi em 1968; pode ser melhor cunhado uma (r)evolução da juventude. O papel importante dos estudantes como grupo específico nos movimentos sociais atuais é, no entanto, inegável, principalmente em seus apelos por justiça social e ao soar o prelúdio da atual onda de ativismo.

Leia mais: Como falar sobre racismo na escola

*Escrito por Philip G. Altbach e Thierry M. Luescher, o artigo “Outra revolução estudantil?” está na edição nº 101 da International Higher Education – publicação trimestral do Centro para Ensino Superior Internacional. A tradução é do Semesp.


Sobre os autores

Philip G. Altbach é professor de pesquisa e diretor fundador do Centro Internacional de Ensino Superior do Boston College, EUA. E-mail: altbach@bc.edu.

Thierry Luescher é diretor de pesquisa de educação e treinamento pós-escolar no Conselho de Pesquisa em Ciências Humanas e professor associado afiliado em ensino superior na Universidade do Estado Livre, África do Sul. E-mail: thierryluescher@hotmail.com.

Redação
A redação do portal Desafios da Educação é formada por jornalistas, educadores e especialistas em ensino básico e superior.

    VOCÊ PODE GOSTAR

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.