Capacitação DocenteOpinião

A sala de aula do futuro é digital

0

*Por Thuinie Daros e Fausto Camargo

Nos últimos meses, muito temos falado sobre as enormes dificuldades ocasionadas pela crise da covid-19 e os impactos ainda gerados na educação. Podemos considerar desde as situações relacionados as questões estruturais como a instabilidade de conexão a internet e a falta de dispositivos para todos os estudantes acessarem aos conteúdos.

Mas também, outras mais complexas, como famílias e alunos dividindo o mesmo formato on-line, falta do contato presencial entre colegas e professores, perda de qualidade do ensino ministrado remotamente. Além disso, o grande despreparo para lidar com nova realidade imposta. Inúmeros foram os desafios relatados pelos professores, estudantes, pais e gestores.

Por outro lado, a transformação digital na educação que já vinha sendo impulsionada pelos avanços na conectividade; uso generalizado de dispositivos e aplicativos digitais; necessidade de individual de flexibilidade, acelerou as mudanças que vão ao encontro de novas experiências de aprendizagem.

Leia mais: Como fazer o letramento digital dentro e fora da sala de aula

 

Segundo autores, a sala de aula digital vai muito além do aparelhamento tecnológico. Créditos: Pexels.

Segundo autores, a sala de aula digital vai muito além do aparelhamento tecnológico. Créditos: Pexels.

Sala de aula digital

Em decorrência deste novo cenário, a União Europeia emitiu um comunicado à imprensa, informando a adoção de um novo plano de ação de educação digital, diante das lições aprendidas com a crise do coronavírus. Com o plano caminham para a sala de aula digital e estabelecem duas prioridades:

  1. Promoção do desenvolvimento de um ecossistema de educação digital;
  2. aprimoramento das competências digitais para a transformação digital.

Um dos aspectos relevantes mencionados, no plano de ação é o fato de que o uso massivo da tecnologia revelou lacunas e pontos fracos na educação. Mas ilustrando, oportunidade para redefinirmos os modelos pedagógicos existentes, ou seja, um momento oportuno para moldar e modernizar a educação para a era digital.

Neste sentido, destacam-se alguns desafios e perspectivas, como a necessidade de utilizar e aproveitar o potencial das tecnologias digitais para aprender, ensinar e desenvolver habilidades digitais para todos: estudantes, professores e gestores. Isto porque, a digitalização rápida pela qual o mundo passou na última década transformou a sociedade, influenciando o mundo do trabalho e a vida diária das pessoas.

Leia mais: Pandemia é oportunidade de repensar a formação docente

Muitos empregadores enfrentam dificuldades no recrutamento de trabalhadores altamente qualificados em vários dos setores econômicos, no setor digital não é diferente. O relatório da União Europeia aponta que profissionais com mais tempo no mercado não estão se aprimorando e se dedicando para o preenchimento dessas vagas.

Muitas vezes, isso acontece, porque o treinamento não está disponível na hora certa e no lugar certo, ou seja, pela indisponibilidade de tempo e da oferta de cursos presenciais que possibilitem a aquisição de habilidades digitais.

Thuinie Daros.

Com a sala de aula digital, espera-se maior oferta de possibilidades, sem barreiras físicas, para a educação e o treinamento corporativo. O aprendizado pode acontecer totalmente online ou em modo combinado (híbrido), adequando-se às necessidades de cada aluno.

Destaca-se que a compreensão de sala de aula digital vai muito além do aparelhamento tecnológico. Trata-se, sobretudo, de uma mudança genuinamente paradigmática refletida na cultura e no mindset.

Além de que, obviamente, isso não depende unicamente da incorporação de ferramentas tecnológicas educacionais ou mesmo pela automatização de uma série de atividades previstas no cotidiano educativo. Mas sim, de como os profissionais da educação, são capazes de introduzirem esse modelo.

Em síntese, refere-se ao desenvolvimento do conjunto de atividades previstas por meio do suporte tecnológico, que se integram, otimizando os processos, favorecendo e intensificando a aprendizagem dos estudantes. Investir no uso de tecnologias, criar espaços inteligentes, elaborar materiais digitais, fomentar o desenvolvimento de um mindset capaz de transformar ideias em realidade.

O mundo está mudando e a sala de aula digital deve se estender a todos os níveis escolares.

O mundo está mudando e a sala de aula digital deve se estender a todos os níveis escolares.

Leia mais: Corrigir a educação na pandemia significa concertar uma relação incômoda com a tecnologia

Com a sala de aula digital é possível alinhar o processo de aprendizagem com as novas mudanças, oferecendo ferramentas, conhecimentos e novas oportunidades aos estudantes.

No entanto, é mandatório que essas tecnologias e metodologias venham acompanhadas de práticas pedagógicas que possibilitam experiências significativas plenamente alinhadas com as transformações sociais atuais. Apenas substituir o presencial pelo digital, sem oferecer práticas, estratégias, recursos e processos é, mais do mesmo.

Fausto Camargo.

Nesse cenário, a sala de aula digital, ao ser implementada com qualidade, pode apoiar a agenda da educação e facilitar a aprendizagem personalizada, flexível e centrada no aluno. Com isso, se tem uma ferramenta poderosa e envolvente para aprendizagem colaborativa e criativa.

Ao mesmo tempo, pode ajudar professores e educadores na criação e compartilhamento de conteúdo, além de levar a educação a alunos com deficiência. Um exemplo, é os que precisam de ferramentas que sejam totalmente acessíveis a partir da sala de aula digital, independentemente do local onde o estudante se encontra.

Leia mais: A relação entre tecnologia digital cognitiva, covid-19 e educação

A sociedade da informação, traz muitos benefícios, como a informação na ponta do dedo. Porém, como mostra o Plano de Ação da Educação Digital da União Europeia, a sobrecarga de informações e a falta de maneiras eficazes de verificar as informações tornam mais necessário o desenvolvimento de pessoas capazes de abordar criticamente, avaliar e informações. A intenção é resistir às possíveis manipulações de pseudoinformações disponíveis na rede.

A pesquisa evidenciou que os alunos melhoraram suas habilidades digitais e a maior parte passou a gostar de aprendizagem online. Muitos disseram que suas habilidades de comunicação digital melhoraram aos “trancos e barrancos”.

Cerca de 62% dos entrevistados sentiram que melhoraram suas habilidades digitais durante a crise, e esse percentual era maior para educação. Mais de 50% dos entrevistados planejam continuar dedicando esforços para melhorar ainda mais suas competências digitais no futuro.

Leia mais: Como promover aprendizagem ativa em sala de aula virtual

A sala digital deve se estender a todas as áreas de atuação profissionais, não se restringindo a educação básica ou superior. Crédito: kfergos/CC BY-NC-SA 2.0.

A sala digital deve se estender a todas as áreas de atuação profissionais, não se restringindo a educação básica ou superior. Crédito: Kfergos/CC BY-NC-SA.

Em uma pesquisa colaborativa entre a Microsoft e a Education Practice da McKinsey & Company, evidencia dados relevantes que contribuem para a sala de aula digital. Assim, ressaltam como achado da pesquisa que os professores aceitam a necessidade de mudança e 67% concordam que a aprendizagem deve ser personalizada.

Estimam que os professores acreditam que a tecnologia pode ajudá-los, permitindo que dediquem cerca de 20% a 30% a mais do seu tempo em atividades centradas nos estudantes, ou seja, a tecnologia permite que economizem cerca de 20% a 30% do tempo.

Assim, as pesquisas mostram que tecnologia pode ser utilizada a favor do professor, de modo a melhorar o processo de ensino e aprendizagem em escala. No entanto, apesar dos dados apontarem para um cenário favorável, quanto a adoção e ampliação da utilização da sala de aula digital, alguns desafios são evidenciados, como as dificuldades no aprendizado, voltadas para dificuldades de conexão, auto-organização e disciplina para os estudos.

A sala digital ganhará novos contornos e sua utilização poderá levar cada vez mais a experiências interativas, colaborativas, potencializando habilidades socioemocionais, apresentações, reflexões, pensamento crítico. Isso aliado ao pensamento computacional, por meio de plataformas colaborativas, ferramentas imersivas ou de realidade misturada.

O mundo está mudando. Com a digitalização do mundo, a competência digital será uma habilidade fundamental para educadores, facilitadores (educação corporativa) e profissionais, de modo geral. Isto é, a sala digital deve se estender a todas as áreas de atuação profissionais, não se restringindo a educação básica ou superior.

Leia mais: McKinsey indica quatro prioridades da gestão escolar pós-pandemia

Sobre os autores:

Thuinie Daros, Co-fundadora da Téssera Educação, Head de Cursos Híbridos e Metodologias Ativas da Unicesumar EAD, gestora, palestrante, consultora já publicou diversos livros na área da educação, entre eles “A Sala de Aula Inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo ( selo penso). Linktree:  https://linktr.ee/ThuinieDaros

Fausto Camargo, palestrante, professor e coordenador do Curso de Administração da Uniamérica – Centro Universitário União das Américas, em Foz do Iguaçu (PR). Autor do livro A Sala de Aula Inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo. Linktree: https://linktree.com.br/new/FaustoCamargo

Redação
A redação do portal Desafios da Educação é formada por jornalistas, educadores e especialistas em ensino básico e superior.

    VOCÊ PODE GOSTAR

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.