Capacitação Docente

É preciso cuidar da saúde mental dos professores. Saiba por quê – e como

0

Cinco meses depois da pandemia atingir o Brasil, o Desafios da Educação publicou uma reportagem mostrando como a quarentena e o excesso de tarefas levava professores ao esgotamento mental. Àquela altura, a crise sanitária agravava antigos dilemas e dificuldades desses profissionais valorosos e persistentes.

Entre elas está a jornada de trabalho docente, que raramente acaba após o último sinal. Preparar materiais, corrigir provas e organizar os conteúdos das disciplinas estão entre os afazeres realizados além do espaço físico da sala de aula. Na pandemia, esse trabalho aumentou.

Além da jornada extraclasse, o distanciamento social trouxe outras adversidades: a falta de recursos para ministrar aulas remotas; a necessidade de auxiliar alunos após o fim do expediente; ir atrás dos estudantes que não davam sinal de vida; o uso excessivo de telas e, em alguns casos, a falta de traquejo com as plataformas digitais. Sem falar que os professores improvisaram as aulas virtuais em casa. Quem não tinha escritório (quem tinha?) às vezes ministrava a aula do quarto, da sala e até da cozinha.

Junte isso à preocupação de perder o emprego – como aconteceu com muitos docentes de instituições privadas – e a problemas financeiros familiares decorrentes da pandemia: pronto, é a tempestade perfeita para o burnout, o transtorno psíquico associado ao trabalho em excesso.

Como ajudar os professores

Trabalhar em casa é bom? Para algumas pessoas sim. Mas é inegável que o trabalho remoto tende a ser menos imersivo. Ou seja, os profissionais tendem a fazer mais intervalos – seja para preparar o almoço, atender um familiar, colocar a roupa no varal.

Pode soar ruim, mas são essas “quebras” – chamada por alguns especialistas de nanotransições – que podem ajudar a evitar ansiedade, estresse e até o burnout, segundo um estudo da Claremont Graduate University, na Califórnia.

Para os docentes que continuam a trabalhar de casa, os “minibreaks” agem como um reiniciar para o cérebro cansado ou tenso.

Leia mais: Por que o professor deve cultivar a resiliência

É claro que, em caso de esgotamento mental, apenas intervalos não devem resolver: o profissional deve procurar ajuda de um psicólogo. E mais: não adianta o docente receber atendimento psicológico e depois voltar às mesmas circunstâncias que criaram o quadro de sofrimento.

Gestores: abraçar os educadores passa por entender que a problemática não é pessoal, é social.

Leia mais: A capacitação docente na era do ensino superior híbrido

Uma das medidas importantes para prevenir o burnout é tornar a saúde mental dos professores um dos itens de atenção da IES. Incluindo o treinamento dos líderes e a criação de ações para diminuição de problemas emocionais, além de acompanhar de perto a saúde de cada funcionário.

Tornar a pauta coletiva, por meio de oficinas, eventos e reuniões pedagógicas, ampliam a discussão e promovem espaços de expressão e de discussão. Reforçar os fatores individuais, familiares, escolares e comunitários de proteção e tratar os fatores de risco é importante para fortalecer a rede de atenção à saúde mental.

As IES podem, ainda, desenvolver a participação social, discussão ampla, divulgação das formas de atenção e busca de estabelecimentos de atenção. Além da inserção da saúde mental nos projetos políticos-pedagógicos dos cursos, formação de equipe interdisciplinar e criação de políticas públicas.

Gestores e coordenadores precisam fortalecer assuntos relacionados a saúde mental com os docentes. Saber identificar, ouvir e apoiar um professor que esteja passando por um período de esgotamento profissional, ansiedade ou depressão irá promover um senso de acolhimento na IES. Ganha o professor, ganha a escola e ganha o aluno.

ebook manual ies

Leia mais: 7 maneiras de apoiar e preparar o professor para a volta a sala de aulas

Redação
A redação do portal Desafios da Educação é formada por jornalistas, educadores e especialistas em ensino básico e superior.

    VOCÊ PODE GOSTAR

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.