EdTechEnsino Superior

Technion: uma fonte de inovação e empreendedorismo em Israel

0

Se você chegar na cidade de Haifa, em Israel, vai encontrar uma mistura de construções antigas com edifícios imponentes que abrigam a sede de diversas multinacionais. Essa combinação, que pode ser vista em outras regiões, deve-se ao rápido crescimento das startups no país.

O sucesso na área tecnológica fez o Israel ganhar o apelido de “nação das startups” (startup nation), pois concentra a maior média de empresas de tecnologia por habitante, 1 a cada 1.400 pessoas. São 6,2 mil startups no país.

Grande parte desse avanço tecnológico é graças a universidades israelenses iguais ao Israel Institute of Technology.

Conhecido como Technion, o Israel Institute of Technology é uma universidade pública localizada em Haifa, a 150 quilômetros da capital Jerusalém. Fundada em 1912, trata-se da mais antiga instituição de ensino superior da região e uma importante fonte de inovação e inteligência que impulsiona a economia israelense.

Tecnhion é a universidade mais antiga de Israel. Créditos: Divulgação.

Tecnhion é a universidade mais antiga do Estado de Israel. Créditos: Divulgação.

Leia mais: 3 lições de Israel para o ensino superior

Uma incubadora de startups

O Technion é mais antigo que o próprio Estado de Israel, reconhecido como país pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1948, após a aprovação de um plano de partilha da Palestina.

A ideia, ao criar a universidade, era desenvolver a capacidade intelectual dos jovens israelenses resolverem os problemas do futuro. “O Technion teve a missão de construir o país”, afirma Salomão Ioschpe, presidente da Associação de Amigos do Technion Brasil. “A inovação acontece quando o avanço científico vem prestar auxílio para uma ideia criada para resolver um desafio.”

No início da pandemia do novo coronavírus, o Technion em – parceria com o governo, hospitais e empresas – incentivou seus professores a pensarem formas de combate à covid-19.

“Em menos de um mês, mais de 50 laboratórios criaram soluções inovadoras, como tratamentos médico, equipamentos de proteção e tecnologias de prevenção”, diz Ioschpe.

Segundo ele, são os jovens, auxiliados pelo avanço científico, que vão resolver os desafios do cotidiano. Mas suas ideias precisam ser testadas e validadas pelo mercado. E esse processo de validação se faz com testes, erros, e mais testes – que só acontecem em um ambiente propício ao empreendedorismo. 

Para desenvolver práticas para a resolução de problemas desafiadores, o Technion conta com um sistema que o conecta a investidores, possibilitando a criação e incubação de startups.

É graças a parcerias de universidades e empresas que Israel se tornou uma "startup nation".

É graças a parcerias de universidades e empresas que Israel se tornou uma “startup nation”.

Leia mais: Empresas e universidades fazem parcerias para melhorar aprendizado

Experiência militar é vantagem

O serviço militar obrigatório aos 18 anos faz os jovens de Israel ingressarem no ensino superior somente após o tempo mínimo de serviço, que é de 30 meses para homens e de 24 meses para mulheres.

Segundo Ioschpe, a experiência militar propicia situações reais de tomada de decisão e papel de liderança em momentos de crise. “Os alunos chegam à universidade com um alto grau de maturidade e com foco em resolução de problemas”, diz Ioschpe.

No exército, muitos jovens a desenvolvem produtos de alto valor tecnológico. Dessa forma, quando saem do serviço militar, sua mão de obra especializada é aspirada pelas principais multinacionais instaladas em Israel.

Leia mais: Startups de educação crescem 23%. E vão crescer mais depois da pandemia

Apoio governamental

As instituições de ensino superior israelenses estão alinhadas à necessidade do país. Por isso, boa parte da teoria e pesquisa é voltada à demanda do estado. Israel conta ainda com a Autoridade Científica de Israel, uma agência de fomento ao empreendedorismo.

Essa agência transfere recursos públicos significativos para as startups a título de fundo perdido. Essa ação, segundo Ioschpe, possibilita um menor impacto financeiro quando a startup falha, algo que acontece na maior parte dos casos.

Leia mais: Gustavo Hoffmann e Fábio Reis: uma conversa sobre inovação no ensino superior

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.