AvaliaçãoEnsino Superior

Por que as universidades australianas são tão boas nos rankings?

0

*Por William Locke

Vários meios de comunicação notaram recentemente o quão bem as universidades australianas parecem ter se saído bem nas versões recentes dos rankings globais mais influentes. A Times Higher Education (THE) relatou que a Austrália dobrou sua representação de universidades entre as 100 melhores em seus rankings mundiais, em comparação com o ano anterior.

Mais duas instituições entraram no top 200 nas principais classificações do THE deste ano (totalizando 11), e mais uma entrou no top 100 no Ranking Acadêmico de Universidades Mundiais de Xangai (ARWU) (perfazendo um total de sete).

Mas quais universidades estão melhorando mais, em quais classificações e quais indicadores em particular, e isso é uma melhoria repentina ou as tendências são mais complicadas do que isso? Mais importante, por que isso pode estar acontecendo neste momento?

The University of Western Australia (UWA) (2)

The University of Western Australia (UWA). Crédito: Divulgação.

Quais universidades e quais classificações?

O ponto óbvio a ser destacado é que apenas uma pequena amostra das
universidades australianas mais conhecidas e com pesquisas intensivas aparecem nos escalões mais altos das classificações globais que recebem mais atenção. Assim, o desempenho da maioria é obscurecido e considerado pouco digno de nota por jornalistas e comentaristas.

Mesmo entre essa elite, as universidades que sempre apareceram nos rankings desde o início quase não mudaram nos últimos anos. No ranking THE 2020, a posição da University of Melbourne (32) permaneceu a mesma do ano anterior, a Australian National University (ANU) (50) e a University of Sydney (60) caíram cada uma em uma posição, e a University de Queensland subiu três (para 66).

Na verdade, são as universidades logo atrás dessas quatro que melhoraram suas posições: A University of New South Wales (UNSW) subiu 25 posições para 71, e a Monash University subiu 9 para 75. No entanto, os aumentos mais significativos para ambas não ocorreram em 2020, mas há vários anos: entre 2012 (173) e 2013 (85) para UNSW e de 2011 (178) a 2013 (99) para Monash.

Ambos têm saltado de onde estão agora nos últimos sete anos, mas são os saltos que geram notícias, não as tendências de longo prazo. As melhorias para UNSW e Monash são refletidas nas outras duas classificações influentes, QS e ARWU. A UNSW atingiu sua posição mais alta até agora no QS 2020, com 43, e a Monash também atingiu o pico em 2021 com 55.

Em ARWU, Monash subiu 18 posições e foi para 73, e a UNSW entrou no top 100 (em 94) pela primeira vez em 2019 (mais recente), tendo melhorado continuamente sua posição desde 2003. Outros aumentos notáveis foram alcançados por universidades mais baixas nas classificações, como por Canberra no THE (até 193 de 251-300) e QS (456 de 601-650 dois anos atrás) e pela University of Technology Sydney (UTS) no ranking QS (140 de 160 dois anos atrás) e ARWU (201-300 de 301-400).

Leia mais: Brasil sobe para 6º país mais representado em ranking global de universidade

Quais os indicadores?

Que aspectos do desempenho dessas universidades podem explicar esses sucessos? No ranking principal, “Perspectiva internacional” (alunos, funcionários e colaborações de pesquisa) é o indicador em que as universidades australianas têm melhor desempenho, seguido por “Citações” e “Pesquisa” (reputação, renda e produtividade).

Na classificação QS, os indicadores mais altos de longe são “Estudantes internacionais” e “Corpo docente internacional”, ao passo que eles estão apenas no meio da classificação em “Acadêmico”, “Avaliações do empregador” e “Citações por corpo docente”.

Finalmente, no ARWU, as universidades australianas apresentam o melhor desempenho no número de artigos que aparecem nos índices de citação e no número de pesquisadores altamente citados. No entanto, os indicadores em que essas universidades de primeira linha têm pior desempenho são “Reputação do ensino” e “Proporção aluno-equipe”.

Na Austrália, apenas a ANU — uma universidade relativamente pequena para os padrões australianos — e a Bond University (uma universidade privada muito pequena) têm uma proporção aluno-equipe inferior a 20 na classificação THE.

Por que elas estão indo tão bem?

Então, por que essas universidades australianas estão se saindo tão bem nos rankings globais e o que explica as melhorias recentes da UNSW e da Monash? Não será surpresa descobrir que as universidades australianas com as classificações mais altas são as mais fortes financeiramente — e por alguma margem, como meu colega Frank Larkins confirmou recentemente.

O seu estudo das universidades financeiramente mais fortes do país no período de dez anos até 2018 — com exceção da ANU devido ao seu tamanho
muito menor — identifica as mesmas cinco que tiveram o melhor desempenho nas classificações globais (Melbourne, Sydney, Monash, UNSW e Queensland).

Todas alcançaram aumentos significativos na receita desde 2009, mas para as quatro primeiras (exceto Queensland) isso ocorreu particularmente desde a introdução de matrículas direcionadas à demanda de alunos domésticos em 2008, e uma aceleração do aumento em alunos internacionais de pós graduação desde que os números domésticos foram limitados em 2017.

A receita média dessas cinco universidades, normalizada pela carga de
alunos em tempo integral equivalente, foi aproximadamente 50% maior do que para todas as universidades australianas. É a gestão desses recursos financeiros que fez a diferença.

Em particular, durante este período de dez anos, a UNSW aumentou sua base de ativos em 75% (em comparação com uma média de 40% para todo o setor de ensino superior do país) e sua base de capital em termos reais em 70% (em comparação com 31% para todo o setor). Melbourne e Sydney têm as maiores bases de ativos, mas a Monash tem sido a mais eficaz dessas cinco
universidades de alto desempenho na implantação de seus ativos totais.

No entanto, essas universidades não aumentaram o número de seus funcionários proporcionalmente e, além dos pesquisadores estrangeiros altamente citados, o pessoal que recrutaram é em grande parte apenas docente, casual e profissional, que custa muito menos do que acadêmicos de quem se espera que ensinem e pesquisem.

Consequentemente, todas as cinco universidades aumentaram suas receitas
normalizadas por funcionários equivalentes em tempo integral (incluindo informais) acima da média do setor, mas a Monash aumentou mais, 21% em comparação com 7% para todas as universidades.

Leia mais: O que o Brasil pode aprender com as universidades australianas

O desempenho dessas universidades tem muito a ver com a gestão de seus recursos financeiros. Eles maximizaram sua renda recrutando mais estudantes internacionais e de pós-graduação, e usaram isso para subsidiar pesquisas, incluindo o recrutamento de acadêmicos estrangeiros altamente citados e fornecendo-lhes as melhores instalações, levando a melhores resultados.

Isso melhorou as pontuações das universidades nos indicadores da proporção de alunos e funcionários internacionais, bem como nos resultados e impacto da pesquisa, o que consolidou ou melhorou seu alto desempenho geral no ranking.

No entanto, o crescimento da receita e o aumento da equipe em período integral não acompanharam o crescimento dos alunos, daí sua alta proporção aluno-equipe e reputações docentes relativamente modestas. A grande questão é se esse desempenho — na gestão financeira e na posição de classificação — é sustentável no contexto da pandemia de Covid-19, de um governo que não oferece apoio e da vulnerabilidade geopolítica em que as universidades australianas se encontram.

*Escrito por William Locke, o artigo “Por que as universidades australianas são tão boas nos rankings?” está na edição nº 103 da International Higher Education – publicação trimestral do Centro para Ensino Superior Internacional. A tradução é do Semesp.

Sobre o autor

William Locke é professor e diretor do Centro de Estudos de Ensino Superior de Melbourne na Universidade de Melbourne, Austrália. E-mail: william.locke@unimelb.edu.au.

Redação
A redação do portal Desafios da Educação é formada por jornalistas, educadores e especialistas em ensino básico e superior.

    VOCÊ PODE GOSTAR

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.