Ensino SuperiorOpinião

Universidades em crise e em recuperação: caso de Hong Kong

0

*Por Gerard A. Postiglione

Universidades desempenham um papel importante nos movimentos sociais em todo o mundo. Algumas se tornaram bastiões da reforma. Algumas geraram revoltas. Outras foram atraídas para crises que devastaram as cidades onde estavam localizadas. Algumas cidades e suas universidades se tornaram mais fortes; outras perderam vitalidade.

Entre as primeiras, destacaram-se a Revolta da Universidade de Paris, em 1229 (para não mencionar a agitação dramática mais recente de maio de 1968) e o Movimento de 4 de maio de 1919, em Pequim, liderado pela Universidade de Pequim e outras.

A Universidade da Califórnia, no Movimento de Liberdade de Expressão de Berkeley, em 1964, afetou a vizinha São Francisco, enquanto o movimento Occupy Wall Street, em Nova York, chegou à Universidade de Nova York. Essas universidades e suas cidades permanecem proeminentes em todo o mundo.

O movimento de protesto de Hong Kong de 2019 incluiu oito universidades com classificação global, três entre as 100 melhores. Hong Kong e suas universidades podem se recuperar?

Protestos em Hong Kong tiveram o apoio de oito universidades. Crédito: Jonathan van Smit/CC Search.

Protestos em Hong Kong tiveram o apoio de oito universidades. Crédito: Jonathan van Smit/CC Search.

O confronto

Em 1997, Hong Kong se reuniu com a China após 155 anos de domínio colonial britânico e se tornou uma Região Administrativa Especial (SAR, sigla em inglês) da República Popular da China em um acordo de “um país, dois sistemas” com alto grau de autonomia por 50 anos até 2047. A HKSAR tem sua própria constituição, incluindo liberdade de expressão e reunião. Suas universidades têm mais autonomia e liberdade acadêmica que seus vizinhos.

A tensão veio à tona em 29 de março de 2019, quando o diretor executivo de Hong Kong publicou um projeto de lei na legislatura que poderia extraditar uma pessoa de Hong Kong para ser julgada no continente chinês. Isso levou um milhão de sete milhões de pessoas de Hong Kong às ruas em um protesto pacífico. Quando o executivo-chefe se recusou a retirar o projeto, dois milhões se uniram a um protesto pacífico em 17 de junho.

O governo se manteve firme e a raiva ferveu. Protestos violentos, vandalismo e confrontos com a polícia envolveram a cidade. Em 23 de outubro, o projeto de extradição foi finalmente retirado. Até então, o movimento de protesto estava em pleno andamento, exigindo a renúncia do executivo-chefe, uma comissão independente de inquérito sobre suposta brutalidade policial, retratação da classificação de manifestantes como desordeiros, anistia para manifestantes presos e sufrágio universal para a eleição do executivo principal e de toda a legislatura.

Uma das cidades mais seguras do mundo para estudar está perto do colapso. A maioria dos manifestantes tinha menos de 30 anos e se preocupava com o pós-2047. O movimento não tinha líderes designados e contava com a mídia social. Os manifestantes se dividiram em 10 ou 20 grupos e fecharam estradas, estações de transporte de massa, balcões de check-in de aeroportos e universidades. Vandalizaram centenas de agências bancárias, restaurantes, supermercados, lojas e empresas pertencentes a apoiadores do governo.

Apesar de um milhão de pessoas viver abaixo da linha da pobreza, não houve saques. As pessoas demonstraram paciência com as interrupções e os funcionários do escritório se juntaram aos protestos nos intervalos para o almoço. Alguns criticaram o vandalismo e marcharam em apoio à polícia.
Os campi universitários tornaram-se locais de confronto violento.

Em um campus, a polícia de armadura corporal efetuou 1.500 disparos de gás lacrimogêneo e 1.200 disparos de balas de borracha contra manifestantes estudantes e não-estudantes. Em outro campus, milhares de bombas de gasolina foram recuperadas antes de serem usadas contra a polícia.

Leia mais: Outra revolução estudantil?

Quando as universidades se transformaram em campos de batalha, nove
presidentes de universidades emitiram uma declaração pedindo ao governo de Hong Kong que resolvesse o impasse político, dizendo o seguinte: “…qualquer demanda de que as universidades possam simplesmente consertar o problema está fora da realidade. Essas situações complicadas e desafiadoras não se originam nas universidades, nem podem ser resolvidas através de processos disciplinares.” As aulas foram suspensas.

A turbulência continuou por quase seis meses, até as eleições do conselho distrital em 24 de novembro. Mais de 70% do eleitorado votou pela maior mudança da história de Hong Kong. Os partidos pro democráticos conquistaram quase 90% dos 452 assentos. O governo ainda não atendeu às demandas restantes dos manifestantes.

Universidades desempenham um papel importante nos movimentos sociais em todo o mundo. Crédito: Unsplash.

Universidades desempenham um papel importante nos movimentos sociais em todo o mundo. Crédito: Unsplash.

Quais são as perspectivas?

A estrutura de “um país, dois sistemas” foi um golpe de gênio, mas seu futuro
depende de como isso pode satisfazer o povo de Hong Kong e o resto do país ao mesmo tempo. O governo central vê a democracia sem trilhos firmes de segurança como uma ameaça à estabilidade.

Desde 1978, mais de 5 milhões de chineses estudaram nas democracias ocidentais. Durante esse período, a China tirou 800 milhões da pobreza. A liderança pesa os 7 milhões de Hong Kong contra os 1,4 bilhões no continente e conclui que o bem maior significa maior controle.

Embora nem sempre receba uma imagem precisa e equilibrada das opiniões dos cidadãos de Hong Kong, o governo de Pequim está ciente da insatisfação dos estudantes nas escolas e universidades. Eles atribuem a insatisfação à falta de educação nacional e a preços inacessíveis de moradia em uma sociedade altamente desigual.

Eles criticam os magnatas de Hong Kong por colocarem sua prosperidade acima do bem comum. Eles acreditam que a nova Iniciativa da Grande Área da Baía, que liga a economia e o talento universitário de Hong Kong mais estreitamente ao sul da China, atrairá jovens Hong Kongers para o desenvolvimento da nação. (A maioria dos estudantes não demonstrou interesse na iniciativa ou nos esforços para introduzir um currículo nacional de educação.)

A governança de Hong Kong se tornou muito complexa para a segunda maior
economia do mundo, especialmente no meio de uma guerra comercial com os
Estados Unidos. O governo afirma que “forças estrangeiras” apoiam o movimento de protesto. Alguns manifestantes estudantis levaram bandeiras americanas para suas marchas e o Congresso dos EUA aprovou a Lei de Direitos Humanos e Democracia de Hong Kong em 15 de outubro de 2019.

No entanto, existem várias razões para esperar que as universidades de Hong
Kong mantenham sua resiliência. Não há indicação de que o governo restrinja a liberdade de cientistas, acadêmicos e palestrantes das universidades de Hong Kong de fazerem suas próprias pesquisas, publicações e ensino.

O professorado seria resistente à perda de liberdade acadêmica e o ranking global das universidades diminuiria rapidamente. A administração sênior da universidade demonstrou o compromisso de dialogar com os alunos. A lei garante que as universidades tenham um alto grau de autonomia institucional e liberdade acadêmica. Existe uma tradição de atrair estudantes, cientistas e acadêmicos talentosos de todo o mundo.

O governo central está profundamente ciente do caráter especial de Hong Kong e suas universidades — seu alcance global e envolvimento internacional. Ele não gostaria de fechar essa janela, pois tenta abrir sua própria janela mais amplamente com a Iniciativa do Cinturão e Rota.

Hong Kong e suas universidades se recuperaram da revolta de 1967, que deixou 51 mortos e centenas de feridos. À medida que as universidades de Nova York se recuperavam dos protestos antiguerra que envolveram a cidade em 1968, as universidades de Hong Kong têm o otimismo de seguir um caminho semelhante rumo à resiliência e recuperação.

*Escrito por Gerard A. Postiglione, o artigo “Universidades em crise e em recuperação: caso de Hong Kong” está na edição nº 101 da International Higher Education – publicação trimestral do Centro para Ensino Superior Internacional. A tradução é do Semesp.


Sobre o autor

Gerard A. Postiglione é professor honorário e coordenador do Consórcio de Pesquisa em Ensino Superior da Ásia, Universidade de Hong Kong, China. E-mail: gerry.hku@gmail.co

Redação
A redação do portal Desafios da Educação é formada por jornalistas, educadores e especialistas em ensino básico e superior.

    VOCÊ PODE GOSTAR

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.