Ensino Básico

Livro explica o papel do ateliê na educação infantil

0

Os trechos abaixo compõem o primeiro capítulo da 2ª edição de O papel do ateliê na educação infantil: a inspiração de Reggio Emilia “. Lançado em 2019 pelo selo Penso, do Grupo A, o livro narra experiências de crianças que interagem com materiais ricos – e como isso impacta na abordagem de creches e pré-escolas para a construção e a expressão do pensamento e da aprendizagem.


“Não esconderei de você toda a esperança que investimos na implementação do ateliê. Sabíamos que seria impossível pedir mais. Ainda assim, se pudéssemos, teríamos ido além, criando uma escola […] formada inteiramente por laboratórios semelhantes ao ateliê. Teríamos construído uma […] escola formada por espaços onde as mãos das crianças pudessem estar ativas para “fazer bagunça”. Sem possibilidade de se entediar, mãos e mentes se envolveriam em uma grande alegria libertadora, de modo ordenado pela biologia e pela evolução.”

A fala acima é de Loris Malaguzzi, considerado o pai da abordagem Reggio Emilia. A citação abre o primeiro capítulo da 2ª edição de O papel do ateliê na educação infantil: a inspiração de Reggio Emilia. Na condição de quatro organizadores, temos muito prazer em compartilhar com vocês alguns trechos deste capítulo.

Recebemos muito incentivo para ampliar e atualizar este livro com muitas das iniciativas e dos avanços mais recentes e empolgantes, tanto em Reggio Emilia quanto na América do Norte. Vocês encontrarão alguns capítulos novos e outros que permanecem inalterados.

A argila, o desenho, a pintura, tudo isso vira um canal de elaboração e construção de conhecimento. Crédito: Pexels.

A força do ateliê

A importância do ateliê, ou do studio (como costuma ser chamado na América do Norte), no apoio a formas estéticas e poéticas de conhecimento é maior do que nunca. Por meio de histórias, os capítulos deste livro apresentam esse tipo de aprendizagem rica e profunda.

Esta 2ª edição de um livro sobre o desenvolvimento do ateliê na América do Norte continua sendo uma expedição em território desconhecido. A 1ª edição foi o primeiro livro do tipo a tratar especificamente dos valores e do clima de aprendizagem inspirados no ateliê de Reggio Emilia, que Loris Malaguzzi evoca na citação.

Leia mais: Biblioteca Essencial do Professor: os livros de impacto na sala de aula

Portanto, enxergamos o livro como um convite para olhar a realidade como se ela pudesse ser de outra forma. Acreditamos que o ato de olhar profundamente e enxergar as circunstâncias por outro viés tem potencial para reestruturar e reformar nossas experiências de ensino e de aprendizagem. O ateliê é, de uma só vez, uma ideia e um lugar que deu início a esse tipo de transformação.

Experiências da América do Norte

A transformação do ensino e da aprendizagem na América do Norte, que descrevemos neste livro, tem suas raízes na experiência das pré-escolas e creches municipais da cidade de Reggio Emilia, localizada no norte da Itália.

Essas escolas nasceram a partir de um movimento progressista italiano da década de 1950. Influenciadas pelo trabalho de Piaget, Dewey, Montessori, Hawkins e outros pensadores inovadores em educação, psicologia, biologia e arquitetura, entre outros campos, elas foram sabiamente apoiadas desde o começo pelos governos regional e local.

Um dos pilares centrais da abordagem de Reggio Emilia, que tem orientado e continua a motivar o trabalho dos educadores italianos, é a ideia de que toda criança é criativa, repleta de potencial e tem o desejo e o direito de produzir sentido a partir da vida dentro do contexto de relacionamentos ricos em muitos sentidos e usando muitas linguagens. Foi a partir dessa premissa fundamental que o ateliê foi concebido e desenvolvido, e ainda evolui.

Nós, certamente, tivemos muita sorte de que vários educadores italianos tenham contribuído com sua experiência e suas ideias para este livro, bem como suas reflexões mais recentes sobre o desenvolvimento e o potencial do ateliê, por meio de suas entrevistas a Lella Gandini e seus próprios textos. O livro apresenta um diálogo entre culturas, ideias e teorias e práticas em constante aprofundamento.

Leia mais: Como Reggio Emilia, na Itália, virou referência em educação infantil

Organizando ideias e perguntas

Em vários capítulos, refletiremos sobre as práticas alimentadas e desenvolvidas em um ateliê, as quais nascem de posturas e disposições possíveis em uma escola com ou sem um espaço físico chamado de ateliê. Refletindo sobre a maneira como trabalhamos com as crianças e entre nós mesmos, passamos a adotar aquelas práticas que se encaixam como um quebra-cabeça ou prisma. Acreditamos, reconhecemos e respeitamos as seguintes:

  • Promover experiências ricas no mundo e com materiais, em conjunto com as crianças.
  • Questionar, com as crianças, o que elas veem, pensam e sentem, e como compreendem as experiências.
  • Observar, perceber e registrar.
  • Levantar hipóteses e suscitar novas questões com adultos e crianças.
  • Procurar e descobrir ideias subjacentes ou gerais.
  • Produzir sentido, como adultos e crianças, ao conectar experiências, ideias e materiais à cultura da escola e da comunidade como um todo.

Tanto os autores italianos quanto os norte-americanos também abordarão os aspectos mais tangíveis do ateliê, incluindo histórias sobre a organização e o cuidado com o ambiente e os materiais, pequenos e grandes projetos explorados em muitos espaços dentro de uma escola e os sistemas do ateliê (como modo de trabalhar e como espaço físico) que promovem cooperação, raciocínio profundo e produção de sentido entre todos os membros da comunidade de aprendizagem.

Saiba mais (e-book): Crianças, Espaços, Relações: Como Projetar Ambientes para a Educação Infantil

Por meio do diálogo, observamos que muitas dessas práticas se integraram ao nosso estilo de ensinar e trabalhar. Essas posturas estão no coração da filosofia de Reggio, e queremos que elas definam o espírito das escolas onde trabalhamos.

A técnica de atêlie não se organiza por aulas. Ele está centrado na experiência da criança. Crédito: Marcos Santos/USP.

Nossas próprias transformações profissionais e pessoais foram moldadas por muitas ideias e perguntas, por exemplo:

  • O que promove o poder e o prazer de aprender com materiais e por meio deles?
  • Como um ateliê pode inspirar e favorecer pensamento e aprendizagem inovadores na comunidade escolar?
  • Que tipo de organização e interconexões entre materiais, espaços, pessoas e ideias precisamos inventar em nosso contexto norte-americano para que as linguagens expressivas e poéticas floresçam e tornem a experiência de ensino e de aprendizagem rica e integral?

Essas e outras perguntas criam o contexto deste livro e serão examinadas e entretecidas em suas páginas.

Saiba mais (livro): O papel do ateliê na educação infantil: a inspiração de Reggio Emilia.

Título: O papel do ateliê na educação infantil: a inspiração de Reggio Emilia
Autores: Lella Gandini , Lynn T. Hill, Louise Cadwell , Charles Schwall
Editora: Selo Penso, Grupo A Educação
Ano: 2019
N° de páginas: 224
Preço médio: R$ 55,00

Redação Pátio
A redação da Pátio – Revista Pedagógica é formada por jornalistas do portal Desafios da Educação e educadores das áreas de ensino infantil, fundamental e médio.

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.