Ensino Básico

Por que apostar em avaliações menos conteudistas

0

A cena de alunos sentados em silêncio marcando “x” em uma folha de papel causa desconforto em muitos professores. Por isso, eles têm dado menos ênfase às avaliações conteudistas – comuns, por exemplo, em provas de múltipla escolha. No lugar, entram projetos práticos, avaliações baseadas em competências e o feedback, entre outras estratégias.

Essas novas formas de avaliar os alunos têm como objetivo afastar a memorização mecânica que ocorre durante as avaliações tradicionais. Como afirmou o professor e pesquisador da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), Daniel Cara, em sua conta no Twitter, as provas conteudistas são marcadas pela descontextualização e ausência de compreensão sobre processos históricos, falta de raciocínio lógico e analítico.

Avaliações conteudistas são marcadas pela descontextualização e ausência de compreensão sobre processos históricos, falta de raciocínio lógico e analítico. Crédito: Pexels.

Avaliações conteudistas são marcadas pela descontextualização e ausência de compreensão sobre processos históricos, falta de raciocínio lógico e analítico. Crédito: Pexels.

O problema das avaliações conteudistas

A crítica acontece no contexto do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Alvo de debates envolvendo alunos e docentes, o Enem, segundo Cara, é uma prova conteudista que exige memorização de algoritmos, fórmulas, datas e terminologias.

O argumento do professor da USP reverbera entre outros educadores. De acordo com professores consultados pelo portal Guia do Estudante, o segundo dia de provas do Enem foi mais conteudista e cobrou pouca interpretação de texto dos participantes.

No entanto, o Enem é um reflexo do que acontece na maior parte das salas de aula no ensino básico. Em entrevista ao Desafios da Educação, a professora Emilly Fidelix ressalta que apesar das mudanças no formato das aulas durante a pandemia, a escola segue sendo conteudista.

Assim, a maioria das avaliações mantém os modelos tradicionais: uma folha de papel com perguntas de múltiplas escolhas ou discursivas para serem resolvidas dentro de um espaço de tempo pré-estabelecido.

“O conteudismo se pauta pela transferência hierárquica de conhecimentos do professor para o aluno”, explica Daniel Cara. Dessa forma, o estudante é tratado como um mero receptor de conteúdo e se torna um reprodutor – e não um construtor – do conhecimento.

Leia mais: Quais são os desafios da avaliação na educação na educação infantil

Nem todas as provas são ruins

O autor do livro Peer Instruction – A Revolução da Aprendizagem Ativa, Eric Mazur, afirma que os sistemas de métricas utilizados nas avaliações não são capazes de medir as habilidades dos alunos. Para ele, é preciso focar no feedback – e não na nota. Daí a necessidade de as escolas abandonarem parte das avaliações tradicionais.

Os questionários práticos e rápidos sobre um conteúdo ensinado recentemente ainda podem ser úteis. Essas provas agregam na aprendizagem do estudante se forem aplicadas com frequência e fornecerem feedback quase imediato para ajudar os alunos a melhorar.

Um estudo realizado com estudantes da oitava série em escolas dos Estados Unidos mostrou que aqueles que fizeram um teste prático no meio do ano retiveram 10% mais conteúdo no final do ano na comparação com colegas que não participaram de nenhum teste prático.

As avaliações curtas também ajudam os professores a reconhecer o quão bem os alunos entenderam o conteúdo – e onde precisam evoluir. Isso é eficaz no contexto de provas formativas, que visam identificar os pontos fracos e áreas de crescimento.

Por outro lado, avaliações conteudistas que não oferecem oportunidades para o aluno evoluir são consideradas menos eficazes pela pesquisa conduzida com os alunos estadunidenses.

Leia mais: Feedback é melhor que avaliação por nota, diz professor de Harvard

Outros métodos de avaliação escolar

Se a ideia é manter o modelo de provas, é fundamental flexibilizá-lo. Introduzir limites rígidos de tempo, por exemplo, tende, simplesmente, a causar estresse nos alunos. Então, ao invés de enfatizar a velocidade, os professores devem encorajar os alunos a pensar sobre os problemas que estão resolvendo.

A seguir, confira outros métodos de avaliação escolar:

  • Avaliação focada em competências: os docentes podem identificar as habilidades dos alunos e produzir atividades focadas em competências especificas;
  • Metodologias ativas: aprendizagem baseada em projetos, cultura maker, design thinking e outras abordagens estão crescendo e se tornando uma opção não apenas como forma de ensino, mas também uma alternativa na hora de avaliar os alunos utilizando rubricas;
  • Debates: promover debates e avaliar a capacidade de argumentação, o domínio dos conteúdos, assim como o senso crítico;
  • Feedback, avaliação entre pares e autoavaliação: estimular a troca de ideias entre os colegas, o entendimento do aluno sobre a sua evolução e fornecer feedback durante todo o processo de aprendizagem.

Leia mais: A importância do feedback na visibilidade da aprendizagem

Redação Pátio
A redação da Pátio – Revista Pedagógica é formada por jornalistas do portal Desafios da Educação e educadores das áreas de ensino infantil, fundamental e médio.

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.