EADEmpregabilidade

Conselhos de Saúde e Arquitetura vetam alunos formados por EAD. E agora?

6

Entidades de arquitetura, farmácia, odontologia e veterinária estão vetando prática profissional de alunos formados em cursos de EAD. Crédito: CAU/BR/divulgação

Quando o então presidente Michel Temer autorizou a publicação do decreto nº 9.057/2017, que regulamentou a educação a distância, diversos representantes de conselhos profissionais manifestaram descontentamento. Agora, quase dois anos depois, a discussão ganhou novo capítulo: pelo menos quatro entidades aprovaram resoluções que vetam, em todo Brasil, o exercício da profissão a egressos da modalidade EAD.

A decisão foi tomada pelos conselhos federais de:

  • Arquitetura e Urbanismo
  • Farmácia
  • Odontologia
  • Medicina Veterinária

As entidades alegam que disciplinas online são insuficientes para uma formação de qualidade. Também sustentam que atividades práticas são essenciais à formação de futuros arquitetos, farmacêuticos, dentistas e veterinários.

No Brasil, todo curso EAD deve exigir atividades obrigatórias em polo presencial. Com base nisso, a Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes) foi à Justiça para questionar as decisões. A Associação Nacional das Universidades Particulares (Anup) deve fazer o mesmo.

As resoluções que proíbem a prática profissional não têm feito sobre egressos de cursos presenciais – que, como prevê a legislação, permite 20% de carga horária online.

Leia mais: MEC amplia carga horária online de cursos presenciais para 40%, exceto para Saúde e Engenharia

O que dizem os envolvidos

A favor

Sólon Caldas, presidente da Abmes, diz que as diretrizes dos cursos a distância foram aprovadas pelo Conselho Nacional de Educação (CNE). Ao jornal Folha de S. Paulo, afirmou que os órgãos profissionais têm demonstrado preconceito e usurpam a competência como forma de reserva de mercado. Caldas também alega que as habilidades práticas são ensinadas pelas atividades presenciais obrigatórias e que, se isso não ocorre, há fiscalização do Ministério da Educação (MEC).

Em entrevista ao Desafios da Educação, em 2018, a vice-presidente da Anup, Elizabeth Guedes, já reforçava a importância das práticas presenciais e da avaliações dos cursos de EAD. “Conselhos profissionais, e digo com muito respeito, tem tentado ao longo dos anos aumentar a influência sobre a regulação do ensino superior, o que é ilegal, porque a Constituição não prevê que órgãos profissionais se ocupem de regular o ensino.”

Elizabeth Guedes é irmã de Paulo Guedes, ministro da Economia e entusiasta do setor – a educação a distância é mencionada no plano de governo do presidente Jair Bolsonaro como uma modalidade a ser incentivada.

O Semesp, entidade que representa as instituições particulares, e a Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed) divulgaram uma nota em conjunto ressaltando que “não há diferença alguma nos diplomas emitidos por cursos reconhecidos pelo MEC, sejam presenciais ou a distância”. “Ambos têm a mesma validade para comprovação de título”, diz a nota.

Leia mais: Parcerias favorecem abertura de polos de EAD, mas gestão tem desafios

Contra

O Conselho Federal de Farmácia (CFF) proibiu a inscrição e o registro de egressos formados na modalidade a distância para “zelar pelo bom conceito e pelo prestígio da profissão e dos que a exercem legalmente”. “Trata-se de uma medida urgente e necessária, em proteção à sociedade e pela preservação da qualidade da formação na graduação em Farmácia”, disse Walter Jorge João, presidente do CFF.

Para o Conselho Federal de Odontologia (CFO), é imprescindível a integração teórica e prática entre o ensino, os serviços de saúde e a comunidade. A entidade busca, junto ao MEC, barrar a ampliação das ofertas de cursos de graduação na área de Saúde na modalidade de EAD. Segundo levantamento do CFF, o número de vagas autorizadas para cursos de EAD na área da Saúde passou de 274.603, em fevereiro de 2017, para 913.300 em janeiro de 2019.

Faculdade de Ciências da Saúde Moinhos de Vento, inaugurada no final de 2018. Crédito: divulgação.

O Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) reconhece que a competência para autorizar a criação de cursos EAD é exclusivamente do MEC. No entanto, a entidade diz que a educação a distância “impede a realização de aulas práticas essenciais para preparar o bom profissional”. Veterinários que ministrarem disciplinas ou estiverem envolvidos na gestão dos cursos a distância estão sujeitos à responsabilização ético-disciplinar.

Única entidade não vinculada à área da Saúde a vetar a prática profissional de alunos formados a distância, o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR) sustenta que a formação a distância em Arquitetura e Urbanismo traz riscos tão graves quanto na área da Saúde. “Trata-se de segurança da vida, por isso outras profissões como dentistas, farmacêuticos e veterinários também criticam o ensino a distância”, diz Andrea Vilella, coordenadora da Comissão de Ensino e Formação do CAU/BR.

Leia mais: Como atuam os cursos EAD mais bem avaliados no Enade

E os alunos da modalidade EAD?

Fernanda Furuno, integrante do conselho de inovação da Abed, recomenda que alunos já matriculados nas graduações citadas permaneçam nelas e aguardem o desfecho legal das ações, “e que se atentem à qualidade de seus cursos avaliados pelos instrumentos já aplicados pelo MEC, como o Enade”.

Os conselhos profissionais, por serem responsáveis a responder por eventuais reclamações de má conduta, sugerem que os estudantes optem por graduações presenciais. Como os cursos a distância “ainda não formaram ninguém, mas já recebem alunos, queremos alertá-los para que não percam recursos”, disse Francisco Cavalcanti de Almeida, presidente do CVFM.

Próximos capítulos

Marcos Fuhr, diretor do Sindicato dos Professores do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinpro/RS), diz que a disputa entre as instituições de ensino e os conselhos profissionais é delicada. “Não podemos passar recibo contra avanços tecnológicos, mas também não podemos deixar de entender que existe uma preocupação real quanto à qualidade do ensino oferecido”, afirmou ao jornal Extra Classe.

Para evitar o que chama de “pura mercantilização da educação”, Fuhr recomenda que “o MEC seja mais criterioso”. O Ministério da Educação, por sua vez, afirma que segue a legislação e “não interfere na relação de graduados com os conselhos profissionais”.

Leia mais: Como funcionará a abertura de mestrados e doutorados a distância

ATUALIZAÇÃO: este texto foi editado para incluir o posicionamento do Semesp e da Abed. Edição realizada em 18/04/2019, às 14h37. 

Leonardo Pujol
Leonardo Pujol é editor do Desafios da Educação e sócio-diretor da República – Agência de Conteúdo.

VOCÊ PODE GOSTAR

6 Comentários

  1. Na minha opinião isso é muito bom, pois finalmente alguém resolveu defender a população dos interesses de grandes grupos econômicos que invadiram a educação do Brasil. Sem qualquer compromisso com a qualidade de ensino, e visando somente o lucro e a satisfação dos acionistas, e sem nenhuma preocupação real de MEC em fiscalizar, além de precarizar a profissão de professor, estão fazendo o Brasil alcançar rankings na educação próximos a países da Africa. Quem é da área de docência sabe muito bem disso. E o pior é que tem os interesses econômicos tem o dedo do super ministro Guedes. Na minha opinião, todas as profissões regulamentadas deveriam ter um exame de classe PARA CONSEGUIR O DIPLOMA. Enquanto deixarmos isso a cargo do MEC, o interesse econômico estrangeiro vai continuar falando mais alto.

    1. Meu querido Hélio R> de Freitas Jr, você falou tudo, estudo na modalidade à distância, do grupo ser educacional, com sede matriz em Recife, depois que esse novo proprietário assumiu , a reclamação é geral, ele ainda dá uma de bom empreendedor, como? Se nos cursos há um número grande de evasão, não querem cumprir o que diz a legislação (Decreto que regula os cursos ead), tudo visando o lucro, lucro e lucro. Exemplo, aulas práticas em laboratório tivermos no início do curso, agora não tem mais e quando tem eles mandam fazer em casa, sem o acompanhamento profissional e sem critérios de segurança que não é de conhecimento do aluno, as aulas são 90% E-Book, disciplinas de engenharia, um livro extremamente complexo, com umas video conferência onde o professor mais parece tá interpretando um texto, sem a postura de um professor, acho até que é um ator só pra pagar mais barato, não duvido nada.

  2. Teve Conselho Federal de uma profissão da saúde, que no passado já teve a audácia, de tentar reserva de mercado, até para a parte administrativas em drogarias e em indústrias farmacêuticas. Sendo que a graduação desse curso só existe, graças aos conhecimentos básicos da Química, da Biologia, da Matemática e da Medicina. Querer atividades exclusivas, ok! Mas tem certas coisas, que é ultrajante. Não apoio uma graduação 100% ead na saúde, mas uma SEMI-PRESENCIAL 50/50 eu apoio sim, é possível ter 3 dias na semana práticos e 3 teóricos, conciliando com estágios, monografias, artigos, residências, especialização e etc. Se a questão fosse,quanto a qualidade dos formados, oras, por que não colocam um exame de suficiência, que dá nivelamento para quem chega ao mercado? Claro que não né! Pois o EaD diminui a necessidade de mestres e doutores dando aulas, ninguém quer perder mercado de trabalho! Essa que é uma dura realidade, se em países de primeiro mundo, o semi-presencial é super consolidado, por que no Brasil não? Sim, é a reserva de mercado! Aliás em vários países, muitas coisas que farmacêuticos querem reservas até os Biólogos podem fazer, infelizmente o Brasil ás vezes concede alguns caprichos, para algumas entidades e respectivas profissões, com reservas que são bem questionáveis. Por curiosidade, o Brasil é um do poucos países, em que, PSICOLOGIA e DIREITO não podem ser ofertados em EaD, no entanto, muita gente formada nesses cursos vai se especializar justamente no formato que tanto dá o que falar? Que muitos abominam! Sustentam tanto a ideia de ser impossível aquele curso em EaD, mas aceitam especializações na modalidade, o que deveria ser o inverso, até porque a graduação é uma base, e a especialização é a finalização dela. Nada contra ninguém, nenhum conselho, mas a reserva de mercado fala mais alto sim! É nítido, claro que tem curso que é um expresso absurdo ser ofertado em 100% EaD, como QUÍMICA BACHARELADO, FARMÁCIA, BIOMEDICINA, ODONTOLOGIA, MEDICINA, VETERINÁRIA, FISIOTERAPIA, ENFERMAGEM, CURSOS DA SAÚDE, ENGENHARIAS o próprio aluno deveria se questionar, se pela internet é possível aprender manipular gases, ácidos, operar pessoas, preparar um centro cirúrgico, operar um cavalo? Enfim, senso né gente, claro que não! Mas nada impede, por exemplo, um curso que fosse 50/50, talvez teria até mais prática que alguns presenciais, lembrando que tem muito curso presencial péssimo, com notas e conceitos ruins, poucas práticas, o DIREITO é uma graduação exclusivamente presencial, nem por isso, os resultados dos graduados no exame de suficiência da OAB é majoritariamente positivo, para a maioria dos aspirantes a carteira da profissão. O que também não justifica, diminuir às vagas, ou restringir o acesso a quem pode ou não pode cursar a graduação, na realidade precisa existir uma aderência entre as atitudes do aluno com a estrutura e qualidade das UNIVERSIDADES, a aprovação no exame será apenas uma consequência.

  3. E o CREA quando vai tomar uma atitude de um conselho digno e proibir cursos a distância. Ou perdeu muitos técnicos e esta pensando no dinheiro de novos associados?

  4. Gostaria de colocar a minha opinião sobre o curso do EAD, Sou formada em curso 100% presencial e era contra os cursos de EAD, principalmente os cursos de graduação de saúde ( farmácia, nutrição,
    e outros…) Estou atualmente fazendo o curso de graduação na área de saúde por EAD e minha concepção mudou. Sou plenamente a favor do curso do EAD, pois existe ótimas universidades privadas que possui ótima estrutura para realização do curso em EAD. Na minha concepção o aluno EAD estuda todos os dias, pois necessitar realizar diversas atividades repassadas no curso no determinado período de tempo, transformando os alunos a pensarem e buscarem realmente o conhecimento, diferente do curso presencial que a maioria das vezes é por metodologia tradicional, na qual o professor colocar apenas o conteúdo na sala de aula e o aluno segue com a memorização de conteúdos, esquecendo completamente esses assuntos. Os cursos de saúde do EAD para todos compreenderem, são as aulas teóricas apenas , as aulas práticas e estágios são a mesma carga horária do curso presencial,portanto PRESENCIAIS. Os alunos do EAD apenas ficam na plataforma nas aulas teóricas e são metodologias ativas que o aluno sempre participar do aprendizado, dando oportunidade aos alunos de outros municípios que não tem na sua localização universidades de saúde a cursarem o ensino SUPERIOR. O CONSELHOS DAS ÁREAS DE SAÚDE DEVERIAM SE QUESTIONAR SOBRE APLICAR PROVAS igual que é feito pelo exame da ordem (OAB) isso vai garantir uma melhor qualidade do profissional da saúde . Acredito que cada CIDADÃO precisa escolher qual a opção para sua aprendizagem significativa: PRESENCIAL ou EAD E NÃO OS CONSELHOS DIZER PARA O ALUNO QUAL A MELHOR OPÇÃO. ESPERO QUE NOSSA EDUCAÇÃO melhorem e tenhamos 100% de acesso ao ensino superior. SOU TOTALMENTE A FAVOR DAS PORTARIAS DO MEC SOBRE O CURSO DO EAD. Precisamos ter uma visão mais aprofundada e não superficial dos cursos da saúde do EAD e com certeza ficarão os melhores, pois os alunos do curso EAD irão realizar a prova do ENADE do MEC.

    1. Eu já denunciei as metodologias ativas aos conselhos. Se vc acha que é possível formar 50/50 aconselho desistir do curso. Área da saúde não é pra vc. Vc aceitaria se consultar com um médico que se formou EAD? 50/50? Se a minha faculdade do RJ usar essas ” metodologias ativas” eu vou pessoalmente a ALERJ exigir que se abra novamente a CPI das Faculdades particulares . Eu vou comemorar muito quando vir a notícia em todos os jornais da falência do grupo SAGAH, consórcio STHEM, kah academy , grupo Kroton e semelhantes . Acho bom rezar pra minha faculdade ser tradicional. E também gostaria de fechar os curandeiros da nova escola . Dizem que são de esquerda mas… Paulo Freire pra formar empreendedores . Mas os conselhos já estão reunidos pra tratar inclusive disto pois educação não é mercadoria e sim um direito social.

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.