Ensino Básico

Como manter as crianças ativas e longe das telas durante as férias de julho

2

As férias escolares de julho costumam ter viagens e passeios. Mas ainda que haja uma tendência de queda nas taxas de infecção e de mortalidade por covid-19 no Brasil, os especialistas em saúde recomendam cautela. Enquanto não alcançarmos uma faixa segura de imunização da população, o melhor segue sendo ficar em casa (de novo) e não viajar (de novo!).

Com viagens restritas, distanciamento físico e escolas fechadas, crianças e adolescentes podem passar ainda mais tempo em casa. Um dos desafios é não transformar esse “tempo a mais” em algo ocioso. Quando o ócio se instala, é mais provável que o tempo livre das aulas e das tarefas escolares seja revertido em horas e mais horas na frente de computador, celular, televisão.

Isso não seria necessariamente um problema – não fosse o fato dos alunos estarem há mais de um ano em frente às telas.

Ao longo de julho, o ideal é estimular atividades que priorizam o desenvolvimento motor e o exercício corporal. “Pesquisas recentes apontam que crianças estão se movimentando cada vez menos e que o tempo em frente às telas pode ser um fator preocupante quando nos referimos à saúde”, alerta Juliana Landolfi Maia, assessora pedagógica do time de formação de professores do Sistema Positivo de Ensino.

As férias escolares de julho serão dentro de casa, mais uma vez. Saiba como aproveitar.

As férias escolares de julho serão dentro de casa, mais uma vez. Saiba como aproveitar. Crédito: Ueslei Marcelino/Unicef.

Planejamento

Um bom primeiro passo para lidar com crianças (em recesso escolar ou não) é organizar um cronograma de atividades – seja para lazer, estudo ou tarefas da casa. Reserve um tempo para planejar a semana ou o dia – incluindo à lista atividades e situações como alimentação, sono, higiene, organização, lazer e estudos, se houver.

Em razão das férias, em julho você pode incluir atividades que tomarão o tempo antes dedicado à escola. Aqui, vale pré-determinar o limite de horário para o uso de eletrônicos, principalmente com adolescentes. Combinar previamente algumas recompensas pelo cumprimento do cronograma pode ser benéfico.

Nem todas as famílias, porém, conseguem estabelecer uma rotina com cronograma – elas fazem o que podem. E isso é o que importa. Façam coisas juntos. Se há vantagens em um recesso escolar numa pandemia, os momentos em família estão entre elas.

Leia mais: O aluno é obrigado a ligar a câmera durante a aula online?

Atividades de acordo com a idade

Para obter qualidade nesse tempo maior que os pais passarão com os filhos durante as férias escolares de julho, o bacana é quebrar a rotina com atividades diferentes. Algumas opções são:

  • Brincadeiras em casa e ao ar livre;
  • Visitas (virtuais ou presenciais) a museus;
  • Sessões de cinema em casa e rodas de leitura;
  • Jogos de estratégia e raciocínio;
  • Passeios de carro.

Confira mais detalhes sobre essas atividades, de acordo com a faixa etária das crianças.

2 a 3 anos: Que tal montar circuitos de caixas de papelão em diferentes tamanhos e incentivar a criança a se deslocar pelo caminho? As caixas também podem ser usadas para cenários e encenações. Vale a pena utilizar materiais disponíveis em casa para estimular a criança a criar os próprios brinquedos.

Outra sugestão para essa idade é incluir brinquedos que simulam movimentos de pinças e blocos de encaixes. Para fortalecer o corpo, uma brincadeira interessante é “Morto-Vivo”, que consiste em agachar (morto) e ficar com o corpo ereto (vivo). Essa atividade promove o fortalecimento muscular e das articulações das pernas, além de ajudar na coordenação motora e equilíbrio.

Leia mais: O incentivo à leitura de forma independente e orgânica nas crianças

4 a 5 anos: Promover brincadeiras que envolvam dança e movimentos costumam ser muito bem aceitas para essa faixa etária. Outras opções são jogos que envolvam personagens e um ambiente acolhedor com brinquedos e materiais disponíveis em casa.

Uma alternativa que funciona bem é incentivá-los a criar seus próprios jogos e envolver a família toda na brincadeira. Vale brincar com papéis coloridos, tinta, bolas e colocar a imaginação para funcionar.

Para quem tem mais espaço, boas sugestões são brincadeiras como pique-pega, esconde-esconde e cabo-de-guerra. Elas auxiliam, respectivamente, na movimentação dinâmica por conta do abaixar, pular e correr em várias direções, desenvolvendo também o condicionamento cardiorrespiratório e o fortalecimento da musculatura de braços e pernas, usando as articulações para gerar força.

6 a 8 anos: Nessa idade, as crianças exploram muito o mundo da imaginação. Vale a pena sugerir jogos com desafios que ajudam a criar habilidades específicas e senso de competição, além de aproveitar ideias de jogos e passatempos populares, fazendo uma pesquisa com avós, tios e pessoas próximas sobre brincadeiras da infância. Esse resgate, além de muito divertido, pode trazer experiências inesquecíveis para toda a família.

Leia mais: Crianças e escolas precisam se conectar à natureza, defende Ana Carol Thomé

9 a 12 anos: Para os maiores, vale a pena explorar a movimentação em atividades com bolas ao ar livre, ou então, preparar uma playlist e gravar sequências coreográficas para que as crianças acompanhem.

Outras atividades que podem ser incentivadas são salto de corda, pular o elástico, queimada e carrinho de mão. O jogo de queimada desenvolve a força e agilidade, e o carrinho de mão estimula os músculos dos braços, a coordenação motora e o abdome.

A partir de 12 anos: Em relação aos adolescentes, a preocupação é com os transtornos relacionados à ansiedade provocados pelo distanciamento social, incluindo distúrbios do sono. Nesse contexto de férias é comum que haja uma necessidade maior de convívio social, que muitas vezes é substituída pelos jogos online e uso de redes sociais.

Os pais devem observar e orientar os filhos a fim de evitar a privação do sono, ocorrência comum quando os adolescentes jogam on-line durante a madrugada, por exemplo. Isso pode interferir no desenvolvimento físico, cognitivo e emocional.

Com os devidos cuidados sanitários locais, a família deve optar por atividades ao ar livre. Para os adolescentes, o ideal é estimular a prática de esportes individuais como corridas de longa e curta distância, patinação, passeios de bike, caminhadas em trilhas, entre outros.

Leia mais: Durante a pandemia: é possível morar em uma cidade e estudar em outra?

Redação Pátio
A redação da Pátio – Revista Pedagógica é formada por jornalistas do portal Desafios da Educação e educadores das áreas de ensino infantil, fundamental e médio.

VOCÊ PODE GOSTAR

2 Comentários

  1. Boa tarde! Este texto pode ser replicado em outros sites ligados à educação? Se sim, qual a fonte? Obrigada!

    1. Olá, Ana. Pode sim.

      Se você publicar nossa história online, inclua todos os links do texto original.
      Inclua uma assinatura usando o seguinte formato: Por [Nome] [Sobrenome], Desafios da Educação. Por exemplo: Por Adriane Kiperman, Desafios da Educação. Se a história é assinada por “Redação” ou “Redação Pátio”, não é necessário creditar a assinatura. Em vez disso, ao fim do texto, inclua a seguinte frase: “Este texto foi publicado originalmente no portal Desafios da Educação”.
      Ao citar “Desafios da Educação” na assinatura, inclua um hiperlink para a história original.
      Somente fotos creditadas ao Desafios da Educação ou aos nossos articulistas podem ser republicadas. Você pode usar imagens próprias para republicar uma história nossa. Você não tem permissão para copiar imagens de cortesia ou de outras organizações de mídia (por exemplo, Pexels, Getty Images), pois elas exigem permissões específicas.
      O Desafios da Educação não se responsabiliza pelo material republicado em blogs, sites, veículos impressos, redes sociais ou quaisquer plataformas.
      A eventual edição do conteúdo republicado está sujeita às normas da nossa licença.

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.