Ensino Básico

“Não acredito que vou dizer isso, mas quero voltar à escola”

0
Sala de aula; crianças dizem querer voltar à escola. Créditos: Fotos públicas.

Saudade: crianças sentem falta da rotina e não veem a hora de voltar à escola. Créditos: Fotos Públicas.

“Não acredito que vou dizer isso, mas quero voltar à escola”, respondeu uma das crianças ouvidas pelo The New York Times. O jornal queria saber o que os estudantes achavam de aprender em casa. Apesar de concordarem que o ensino remoto é a melhor solução devido à pandemia, a maioria reclamou que em casa o tédio é maior. E a vontade de voltar à escola e ver os amigos também.

Inspirada na publicação do Times, o portal Desafios da Educação ouviu crianças de quatro cidades do Brasil para saber como elas avaliam a experiência de estudar em casa todos os dias. Isto é o que elas disseram.

Leia mais: Quando as aulas voltarem eu não quero que tenha “aula”

Nervosismo e falta de concentração

Giulia Pompermaier Kertész, 13 anos, está na 8ª série. Ela acorda diariamente às 7h30. Lava o rosto, toma café e se senta para assistir a aula online. É o início de sua luta contra as distrações.

Para não cair no sono ela liga as luzes do quarto. Para manter o foco nos estudos, desliga a TV e o computador (ela estuda pelo iPad). Para aliviar o nervosismo e a tensão, Giulia liga para as amigas. “Ficamos conversando sobre as atividades, e assim não me desconcentro”, conta.

Giulia explica que, quando as aulas remotas começaram, ela demorava muito para concluir as tarefas. Isso a deixava nervosa e com medo de perder nota. O excesso de tarefas e o curto prazo para enviá-los é algo que ainda perturba a estudante do Colégio La Salle, instituição privada de Canoas, região metropolitana de Porto Alegre (RS).

Giulia conversando com as suas amigas por videochamada. Crédito: Arquivo Pessoal.

Giulia conversando com as suas amigas por videochamada. Crédito: Arquivo Pessoal.

A escola já utilizava a plataforma Google Classroom para enviar algumas atividades para os alunos. Mesmo assim, Giulia sofreu com a adaptação ao novo modelo. “No início, o meu sono ficou desregulado, eu não conseguia me concentrar, não aprendia direito, ficava nervosa e ansiosa”, afirma. As coisas estão melhores, mas a estudante do La Salle se diz ansiosa para voltar à escola. “Sinceramente, prefiro as aulas presenciais”.

Em 16 de junho, o Colégio La Salle pediu direito de resposta e esta é sua declaração: “Informamos que nossos professores são sensíveis às diversas realidades dos alunos. Os estudantes têm prazo até às 20h do dia da aula para a entrega das tarefas e esse prazo pode ser flexibilizado, levando em consideração as diversidades de cada situação, seja pelo emocional do aluno, seja por condições técnicas. Temos profissionais à disposição das famílias para conversar e encontrar soluções adequadas para cada situação que surge, sempre pensando no bem-estar do aluno e na continuidade do aprendizado. Fora isso, acompanhamos o desempenho das turmas e ao notarmos que determinados alunos têm dificuldades, fazemos contato com as famílias e ajustes são feitos, individualmente.”

Leia mais: Como estudar a distância em tempos de Covid-19? Aqui estão 5 dicas para os alunos

“Quero abraçar minhas amigas”

Isadora Micael Leichtweis, 11, reclama do isolamento. “A pior parte é ficar em casa sozinha. Eu só participo das aulas online, fico no celular, assisto TV ou faço alguns desenhos. Não tem mais nada para fazer”, reclama. Ela sente falta das amigas e quer reencontrá-las o mais rápido possível. “Quando eu voltar à escola, quero abraçar minhas amigas e papear bastante. Vai ser muito legal.”

Isadora é aluna da 6ª série e mora na cidade gaúcha de Campo Bom. É a mesma cidade onde vive sua prima Luiza Leichtweis, 13. Elas são alunas da escola Santa Teresinha, que desde o início do confinamento liberou atividades e conteúdos pela internet.

“Apesar de termos muitas atividades, as aulas não são difíceis”, diz Luiza. No entanto, ela se preocupa com as avaliações. Está ansiosa para saber as notas finais do boletim. “A primeira coisa que irei fazer é perguntar como irá ser as provas deste ano, depois quero conversar com os meus amigos” confessa.

Luiza, que está na 8ª série, sente falta dos professores, dos colegas e dos treinos que tinha no período da tarde. Quando soube da suspensão das aulas presenciais, que a princípio era de 15 dias e já dura quase dois meses, ela ficou feliz. Mas, agora, não vê a hora de voltar à velha rotina.

Leia mais: Pais e responsáveis, uni-vos: como apoiar os estudos do filho na quarentena

Mãe e professora: excelente ajuda

O sentimento de felicidade logo que as aulas presenciais foram suspensas também pertenceu à Maria Cecilia Peres de Miranda, 12 anos. Estudante da 7ª série do Colégio Clarice Lispector em Rolim de Moura (RO), Maria Cecilia conta que o tédio é seu pior adversário. O tédio e o sono.

Mas ela tem uma certa vantagem: sua mãe é professora. Então quando alguma dúvida surge, Maria Cecilia imediatamente recorre à pedagoga Ana Claudia.

“Quando a Maria Cecilia estava em fase de alfabetização, fiquei um período em casa, fora do trabalho. Em questão de duas semanas no máximo, ela já estava lendo e escrevendo – sendo que na escola ela estava com dificuldade. Então, o fato de eu ser professora facilita a aprendizagem remota dela”, diz a mãe.

Saudades da matemática

Apesar da suspensão das aulas começarem do meio para o fim de março, foi só recentemente que a escola municipal Maria Pastana Menato, em Ribeirão Pires (SP), iniciou as aulas de forma remota. Nesse período, Tiago de Carvalho Estrada, 12, que está na 7ª série, diz que sentiu muita falta das aulas de matemática.

Ele conta que as aulas online são mais explicativas e que não tem muitas atividades, o que tira um pouco do seu foco. “Não é difícil, mas as aulas presenciais são mais legais. Existem poucas coisas para desviar a minha atenção,” afirma Tiago.

Para ele, a pior parte do isolamento – além da saudade das aulas de matemática – é a falta de contato com os amigos e de conversar com eles. Mas garante: quando as coisas voltarem ao normal, as conversas não serão durante a aula.

Leia mais: As aulas virtuais em massa criam situações inusitadas. Reunimos algumas histórias

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.