Ensino Superior

Entrevista: para Emerson Luiz de Castro, Direito entrou de vez no digital

0

A área do Direito sempre foi muito tradicional. Agora, no entanto, a tecnologia tem provocado uma forte ruptura no setor – uma mudança de paradigma que, inclusive, virtualizou audiências, reuniões com clientes e fez andar até mesmo a fila de pedidos para a abertura da graduação em Direito na modalidade a distância, ainda inédita no sistema federal de ensino.

Para entender o impacto da tecnologia no Direito, o Desafios da Educação conversou com o presidente da Comissão de Educação Jurídica da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), em Minas Gerais, Emerson Luiz de Castro. Na entrevista a seguir, ele defende o aperfeiçoamento da educação jurídica no Brasil, a qualificação dos professores e o investimento em núcleos de práticas jurídicas virtuais.

Tecnologia no Direito

Como a tecnologia mexe com o Direito? O Direito mudou muito e ainda vai mudar. Apesar de ter uma graduação mais tradicional, a tecnologia transformou imensamente o perfil do advogado atual. Digo advocacia, mas ela é apenas uma das carreiras possíveis – o que inclui magistratura, Ministério Público, defensoria, procuradoria e outras mais. Todas as carreiras jurídicas foram influenciadas pela tecnologia.

O sr. mencionou que o Direito é mais tradicional. O que quis dizer? O Direito sempre foi muito conservador e, por consequência, o ensino jurídico também. A área do Direito não é protagonista de si mesma. Muito pelo contrário, ele só reage às questões e mudanças sociais que vão acontecendo. Isso não seria diferente no ensino do Direito. Por isso acredito que teremos oportunidades enormes com relação à tecnologia.

Leia mais: Advocacia 4.0: a tecnologia nas grades curriculares de Direito

Ensino jurídico digital

Uma das mudanças, acelerada na pandemia, é o avanço das startups de Direito (lawtechs ou legaltechs). No mesmo período, as edtechs também cresceram. A tecnologia aplicada no Direito veio tão forte que realmente promoveu um crescimento das lawtechs. Isso, de certa maneira, abre um novo campo de atuação do profissional de Direito. Que é justamente se alinhar a outros profissionais da tecnologia e criar soluções mais tecnológicas e avançadas.

Já as edtechs ampliam a possibilidade do curso a distância. Principalmente no campo do núcleo de práticas jurídica institucional, onde já existem soluções. Além de bibliotecas virtuais, vídeos e uma série de questões. Mas, também, no sistema de avaliações, base de dados e acompanhamento de estágios. Tudo isso pode ser tratado dentro das edtechs que se alinham com as lawtechs e apoiam o desenvolvimento do Direito EAD.

O sr. poderia falar um pouco sobre esse núcleo de prática jurídica virtual? Como ela ajuda na avaliação do desempenho dos alunos de um curso? O núcleo de prática jurídica é uma peça importantíssima para que o aluno possa participar das aulas. Principalmente em situações reais ou simuladas – onde o aluno é desafiado dentro dessa ferramenta, para que valide e confira o desenvolvimento das habilidades e competências previstas no projeto pedagógico de curso.

Isso era o tipo de coisa que, antes, se fazia apenas de forma presencial. A presencialidade é importante, mas só em alguns momentos. A própria prática jurídica atual nos escritórios foi virtualizada. Audiências, processos judiciais e até as reuniões com clientes são virtuais. Então, a pandemia trouxe um novo cenário tecnológico ao Direito e à educação.

Leia mais: Depois da Saúde e da Engenharia, laboratório virtual chega aos cursos da área de Humanas

Voltando ao Direito EAD

Quais são os principais desafios das IES na implementação do curso? Um dos principais desafios do Direito EAD é ter um projeto pedagógico consistente, com perfil de egresso claro. Um sistema de disciplina que atenda ao modelo pedagógico da educação a distância, e que não estresse nem cause um impacto muito grande na aprendizagem do aluno.

Além do uso de metodologias ativas e implementação do núcleo de prática jurídica virtual. E, especialmente, a preparação dos professores para a modalidade EAD. Seja na questão da preparação de aulas. Seja na questão de conteúdo, monitoramento de avaliações, tutorias e nas tecnologias de comunicação e informação.

Alguns especialistas têm apostado que o Direito EAD será o carro-chefe da captação de alunos em 2022. Você acredita nisso? Eu acredito que o Direito EAD vai realmente incluir pessoas que estavam completamente excluídas da educação jurídica presencial. Profissionais que trabalham em turnos e plantões, por exemplo. Pessoas que querem uma segunda titulação, mas não querem enfrentar aulas presenciais. Moradores de grandes centros urbanos que trabalham em outra cidade. São fatores que vão fazer o Direito EAD atrair esse público que não poderia ser atendido no curso tradicional.

E como o sr. enxerga o horizonte desse novo curso? Eu acredito em um cenário muito promissor para o Direito EAD em 2022. É promissor porque ele sacode a base das instituições de Direito tradicionalmente presenciais, que enxergam uma possibilidade de melhorar os processos internos. E por outro lado, desafia os próprios professores a se aprofundarem no assunto, estudando sobre EaD e novas tecnologias.

Leia mais: Confira a cobertura especial sobre Direito EaD

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.