OpiniãoTecnologia Educacional

Ferramentas virtuais são a melhor forma de influenciar os estudantes em 2021

0

Por Fausto Camargo*

A internet possibilitou o surgimento de uma nova sociedade, conectada. Com ela, vieram novos hábitos, costumes e, também, novos formatos organizacionais, negócios. Experimentamos mudanças na mobilidade, no entretenimento (como o streaming de filmes). Em 2020, com a pandemia do Covid-19, vivenciamos o uso de ferramentas virtuais ou digitais com maior intensidade na educação.

Crises geram oportunidades. Ao estudante, a pandemia e o distanciamento social evidenciaram que a tecnologia pode conferir maior flexibilidade na aprendizagem. Aos professores, mostra que novos papéis no processo de ensino e mesmo a criação de um novo perfil docente (de mediador, facilitador e gestor da aprendizagem).

A pandemia também aproximou as modalidades presencial e EAD. Agora, já não se trata de uma ou outra modalidade, mas da convergência entre ambas – com uso de tecnologia, recursos digitais, ou ainda da sala de aula digital, como meio de otimização e melhoria no processo de aprendizagem.

a educação digital ao mesmo tempo em que se apresenta como um desafio, mostra-se imprescindível para o desenvolvimento de competências – escassas no momento, e indispensáveis no futuro.

As ferramentas virtuais ao mesmo tempo em que se apresenta como um desafio, mostram-se imprescindível para o desenvolvimento de competências – escassas no momento, e indispensáveis no futuro. Crédito: Freepik.

Ensino híbrido e competências digitais

O ensino híbrido, decorrente da convergência e aproximação das modalidades EAD e presencial, revela-se uma oportunidade de melhoria e otimização do processo de ensino e aprendizagem. Muitas instituições de ensino superior (e estudantes) já reconhecem que o aprender ocorre, sim, com recursos tecnológicos e digitais. Não precisa estar 100% do tempo numa sala de aula física.

Uma pesquisa inclusa no Plano de Ação de Educação Digital, em comunicado emitido pela União Europeia, evidenciou a necessidade do desenvolvimento das habilidades digitais dos estudantes. Também mostrou que a maior parte dos estudantes participantes da pesquisa gostou da experiência da aprendizagem on-line.

Leia mais: Ensino híbrido: o que é, como fazer, tendências | Guia 2021

Esses dados vão ao encontro do desenvolvimento de competências digitais. Assim, a educação digital ao mesmo tempo em que se apresenta como um desafio, mostra-se imprescindível para o desenvolvimento de competências – escassas no momento, e indispensáveis no futuro.

Atualmente existem inúmeros recursos tecnológicos que incluem sala, quadro e ambientes virtuais de aprendizagem, bem como laboratórios virtuais. É inteligente aproveitarmos o potencial desses recursos na aprendizagem de nossos estudantes. A tecnologia influencia diariamente a vida das pessoas, o trabalho, as relações familiares e, com a educação, não pode ser diferente.

Leia mais: 3 benefícios pedagógicos das tecnologias imersivas

É verdade que, no ensino remoto emergencial, surgiram muitos desafios. Quem aqui não conheceu alguém que, lá em março e abril do ano passado, teve sérias dificuldades no uso de ferramentas virtuais, disponibilidade de internet, espaço adequado para o estudo em casa, disciplina e autonomia nos estudos? Talvez esse até tenha sido o seu caso.

Mas não há motivo para pânico. Como escrevi no começo deste artigo, da crise podem surgir várias oportunidades. Nesse caso, temos a oportunidade de desenvolver uma sociedade conectada, crítica e que vá ao encontro do desenvolvimento das competências e habilidades do século 21 – tão exigidas pelo mercado de trabalho. Afinal, espera-se que elas sejam desenvolvidas na jornada de aprendizagem do estudante.

As tecnologias fazem parte do nosso cotidiano. Sempre farão. A aprendizagem híbrida e digital tende, naturalmente, a integrar, fazer parte da vida dos estudantes e dos professores.

Gestores e professores têm a oportunidade de usar a tecnologia para influenciar positivamente a aprendizagem do estudante de forma global. Isto é, não apenas se limitando a transmissão de conteúdo. A transformação digital é um processo. Portanto, não cessa e tampouco termina com o fim da pandemia. Continuará transformando e se adaptando às nossas vidas. Como acontece na educação.

Leia mais: As previsões de Yuval Harari sobre educação e trabalho em 2050

Sobre o autor

Fausto Camargo, palestrante, professor e coordenador do Curso de Administração da Uniamérica – Centro Universitário União das Américas, em Foz do Iguaçu (PR). É autor de A Sala de Aula Inovadora: Estratégias Pedagógicas para Fomentar o Aprendizado Ativo, livro publicado pelo selo Penso.

Redação
A redação do portal Desafios da Educação é formada por jornalistas, educadores e especialistas em ensino básico e superior.

    VOCÊ PODE GOSTAR

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.