EADGestão

Como Harvard se planeja para aulas online devido à crise do Covid-19

0

Todos os dias, um novo grupo de escolas e instituições de ensino superior (IES) anunciam que as aulas presenciais estão suspensas e o que o ensino será virtual por tempo indeterminado – numa tentativa de impedir a propagação do novo coronavírus e sua doença associada, a Covid-19 

Trata-se de uma decisão radical, mas necessária. O distanciamento social e a higiene, por enquanto, é o meio mais eficaz para atenuar a crise que já levou a óbito cerca de 6,4 mil pessoas em todo o mundo.  

Em razão da emergência, governos e instituições de ensino fecharam as portas. A medida afastou da sala de aula mais de 516 milhões de crianças e jovens de 56 países, segundo dados da Unesco de segunda-feira, 16 de março.  

Num esforço sem precedentes, a Universidade Harvard anunciou que cursos de graduação e pós-graduação presenciais terão aulas a distância a partir de 23 de março. É nesta data que os alunos voltariam ao campus após o recesso de primavera, previsto no calendário americano.  

Leia mais: Cancelou aulas presenciais devido ao coronavírus? Saiba como oferecer EAD

Ao Harvard Gazette, site de notícias da Universidade Harvard, Katie Lapp, vice-presidente executiva da instituição, disse que a mudança para o ensino a distância deve atingir 22 mil alunos. 

A universidade chegou a essa decisão  de transferir as aulas presenciais para o online – após discussões e planejamentos significativos, que estão fundamentadas no conselho de líderes e especialistas em saúde de Harvard e de autoridades internacionais, federais, estaduais e locais“, disse Lapp

Alunos carregam caixas com pertences enquanto evacuam dormitórios de Harvard, por causa de coronavírus. Crédito: Rose Lincoln/Harvard.

Alunos carregam caixas com pertences enquanto evacuam dormitórios de Harvard, por causa de coronavírus. Crédito: Rose Lincoln/Harvard.

O comunicado oficial divulgado na terça-feira passada (10), é assinado por Lawrence Summers, presidente da Universidade Harvard. Nele, afirma que o objetivo da mudança é minimizar a necessidade de se reunir em grandes grupos e passar um tempo prolongado em ambientes fechados como sala de aula, refeitórios e dormitórios. 

A proximidade física é um risco para todo aluno, funcionário e professor. Por isso, a ideia de um plano de contingência em Harvard era considerado desde do início dos primeiros casos do coronavírus em Wuhan, na China. 

Hoje, mais do que nunca, a aprendizagem é menos dependente da proximidade física. ensino a distância torna possível continuar aprendendo, mesmo sem o contato contínuo da educação presencial.

A afirmação é do médico e reitor de Harvard, Alan Garber. Para ele, a educação a distância é a opção natural às instituições de ensino em casos de epidemias.  

Leia mais: Coronavírus: Brasil está preparado para ensino remoto?

A instituição flexibilizou algumas normas – como prazos acadêmicos, que serão estendidos – durante a fase de transição para o novo modelo. Os professores farão outros ajustes necessários.  

“Reconheço que estamos pedindo que no meio do semestre repensemos completamente a forma como as nossas faculdades ensinam“, disse Lawrence Summers. “Fazemos isso porque sabemos que as instituições não querem colocar seus alunos em risco.  

O presidente Harvard pediu paciência aos membros da comunidade quando trabalharem com questões logísticas, relacionadas a essa situação. É que muitos alunos moram no campus. Pensando nisso, o Harvard College disponibilizou aos estudantes um auxílio financeiro até US$ 200 para enviar itens pessoais para casa.  

Leia mais: Coronavírus: menos aulas presenciais, mais EAD

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.