Avaliação

IES privada deve priorizar excelência de programas stricto sensu, diz coordenadora

0

Existem pouco mais de 4 mil programas de pós-graduação (PPGs) stricto sensu em atividade no Brasil. Os mais bem avaliados (com notas 6 e 7, considerados de excelência) pertencem às instituições de ensino superior (IES) públicas. Por algumas razões.

Uma delas é que, historicamente, as universidades estaduais e federais são as que mais investem em pesquisa e extensão. Além disso, o próprio sistema de bolsas do governo parece ter sido feito a partir da perspectiva das IES públicas, não das particulares. O que não quer dizer que não haja espaço para as IES privadas crescerem em reconhecimento.

De fato, a busca por notas de excelência deveria estar entre as prioridades de qualquer programa strico sensu de IES privada, segundo a professora Magda Feres. Ela é coordenadora dos programas de mestrado e doutorado da Universidade Guarulhos (UNG), uma das quatro melhores IES de pesquisa do país de acordo com a edição 2021 do Global Ranking of Academic Subjects (Gras), o ranking mundial das universidades e de disciplinas acadêmicas.

Feres participou de um painel no 23° Fórum Nacional do Ensino Superior Particular Brasileiro (FNESP) na última quarta-feira (27). O evento, que está sendo realizado no formato híbrido, vai até 29 de outubro. A mediação do encontro foi de Márcio Sanchez, coordenador da Universidade Corporativa Semesp.

A professora Magda Feres diz no FNESP que as IES privadas devem mirar na excelência dos PPGS stricto sensu. Crédito: reprodução.

Avaliação dos PPGs

O ano de 2021 marcou o início de um novo ciclo de avaliação dos PPGs stricto sensu do Brasil. Também estabeleceu o início de um modelo de avaliação multidimensional, baseado no sistema europeu U-Multirank. Nele, a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) deixa de dar uma nota única – que hoje vai de 3 a 7 – para classificar os programas em cinco dimensões:

  1. Ensino e aprendizagem;
  2. internacionalização;
  3. produção científica;
  4. inovação e transferência de conhecimento;
  5. e impacto e relevância econômica e social.

Durante o painel do FNESP, Magda Feres destacou que o modelo multidimensional amplia a gama de critérios qualitativos, alinhando a pós-graduação brasileira aos resultados internacionais. Até então, a avaliação dos cursos de mestrado e doutorado privilegiava indicadores quantitativos de pesquisa e ensino.

Leia mais: Credenciamento para pós-graduação, mestrado e doutorado: como funciona?

Para alcançar a excelência acadêmica, é preciso dar atenção a alguns pontos.

  • Área do programa: antes de qualquer coisa, é preciso saber qual a área do programa que será ofertado e em qual contexto geográfico a instituição está inserida. Isso é muito relevante para a Capes, segundo Magda Feres.
  • Inserção internacional: busque parcerias com outras instituições e programas estrangeiros. Invista em publicações em revistas internacionais e busque aprender tudo o que for possível com as IES estrangeiras.
  • Apoie outros programas: as universidades precisam ter mais senso de coletividade e se apoiarem. O programa de uma região pode receber ajuda de uma instituição de outro ponto do país, segundo Feres.
  • Invista no corpo docente: os professores precisam trabalhar de forma integral. Não adianta ter amplo quadro docente com pouco carga horária.
  • Parcerias com empresas: é algo que está crescendo na graduação e que precisa ser mais explorada na pós-graduação. Existem, atualmente, programas de bolsas em parecia com industrias nacionais e internacionais. O setor produtivo agrega valor à IES.

Saiba mais: Quero credenciar stricto sensu na minha instituição de ensino

A professora da UNG disse no FNESP que um PPGs demanda alto investimento financeiro – que, por sua vez, costuma demorar até apresentar retorno. “Os primeiros anos é só prejuízo”, afirmou Magda Seres. É só depois de um bom tempo, e com a chegada dos primeiros resultados, é que o programa começa a crescer em número de alunos, parcerias e bolsas de estudos. Afinal, boas notas ajudam na reputação da IES e na captação de novos alunos.

A professora ainda ressaltou que os gestores podem buscar reparação, quando necessário. “Não tenha medo de pedir a reconsideração das notas”, encorajou os participantes. “Já fizemos isso na Universidade Guarulhos e a Capes reconsiderou a avaliação do programa”.

Para isso, é dever dos coordenadores e gestores conhecerem as estâncias e os métodos de avaliação da Capes.

Capes anuncia dois programas de apoio às IES

Nesta semana, a Capes anunciou dois programas de apoio e incentivo a PPGs stricto sensu de instituições de ensino superior privadas e públicas.

A partir de 1ª março de 2022, as instituições de ensino com PPGs avaliados com notas 3 e 4 (que representam 64% do total de cursos) terão acesso a bolsa de estudos para mestrado e doutorado com valores de R$ 1.100 e R$ 1.400, respectivamente. Para isso, receberão apoio financeiro de R$ 48 mil divididos em até três anos. Em contrapartida, faculdades, centros acadêmicos e universidades deverão se comprometer com projetos que contribuam com a educação básica.

Outro programa de incentivo é voltado para verticalização da pesquisa como projeto estratégico com abertura de 1.418 bolsas de pós-doutoramento de R$ 4,1 mil cada. As novidades foram divulgadas pela presidente da Capes, Cláudia Mansani Queda de Toledo, em um evento da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES).

Leia mais: A preparação de mestrados e doutorados para a avaliação multidimensional da Capes

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.