Ensino SuperiorGestão educacional

A reconfiguração das IES no pós-pandemia

0

Como voltar à faculdade? Essa pergunta já foi feita (e respondida) aqui no Desafios da Educação algumas vezes. Com o avanço da vacinação contra a covid-19 no Brasil, contudo, a pergunta é adaptada: como preparar a infraestrutura das IES para o retorno das aulas presenciais?

Se o país mantiver o atual ritmo de vacinação, toda população adulta receberá as duas doses para a imunização até o final de 2021. Com o cronograma cumprido, as instituições de ensino superior (IES) poderão voltar à carga presencial já no primeiro semestre de 2022. Como isso se daria? Difícil prever, embora experiências no primeiro semestre de 2021 possam ter dado uma ideia.

O que é consenso entre especialistas é que a infraestrutura das IES terá que mudar. Em um artigo publicado em junho de 2020 na revista Ensino Superior, o fundador da Universidade Anhembi Morumbi, Gabriel Mário Rodrigues, afirmou que sobrará espaços nos prédios das faculdades depois da pandemia. (Rodrigues faleceu em janeiro de 2021 devido a complicações de um câncer.)

A expectativa é que o ensino a distância prevaleça, seja com cursos nativos (EaD ou híbridos) ou com disciplinas teóricas. Graduações que exijam atividades práticas terão aulas presenciais mantidas.

Inovação na infraestrutura

O ensino remoto emergencial provocou uma aceleração na tecnologia educacional. Apesar de ter sido realizado sem grandes planejamentos, esse modelo se mostrou eficaz, seguro e completamente viável.

CTA tutoria ead

“A pandemia nos deu a oportunidade de reconhecer muitas coisas que vão impactar (ou deveriam impactar) o tempo, espaço e os processos da educação”, afirma o professor Adriano Canabarro Teixeira, secretário de educação de Passo Fundo, município do Norte gaúcho.

A maioria das IES são formadas por um conjunto de grandes ou pequenos auditórios, preparados para um processo quase monológico onde o professor, de forma geral, comunica um conjunto de informações para a turma. Segundo Teixeira, depois do ensino remoto, voltar a esse formato é uma incoerência.

Ele também explica sobre a importância da oferta e demanda de cursos superiores presenciais, a distância ou híbridos: “Muitas instituições já tinham antes da pandemia uma realidade de salas de aula com poucos alunos e vazias em alguns turnos da semana. Agora, é urgente ressignificar esses espaços.”

Teixeira defende que a estrutura física estabeleça processos colaborativos e significativos que vão além do domínio teórico para um processo vivo e com impacto social de criação de soluções para problemas reais

A aposta do professor é na criação de um Learning Space (Espaço de Aprendizagem), que dê suporte aos processos de desenvolvimento de soluções para problemas reais. “Se não souber o que é Learning Spaces, este já é um problema real para os profissionais da educação.”

Leia mais: Com projetos integradores, centros universitários organizam novas formas de ensinar

Na Urcamp, a infraestrutura é pensada nos projetos integradores. Crédito: Divulgação

Uma estrutura híbrida

Especialistas em ensino superior têm sido enfáticos ao dizer que o ensino híbrido ditará o futuro da educação. Adriano Teixeira ressalta: “Quem perdeu a oportunidade de fazer este movimento está correndo sérios riscos”.

Imbuídas desse espírito híbrido, as instituições de ensino superior não podem ignorar abordagens como a aprendizagem baseada em projetos (ABP), aprendizagem criativa e espaço maker. Investir em uma estrutura física que proporcione essas práticas é dar ao aluno um espaço para criar e testar ideias.

ensino híbrido

Um exemplo bem-sucedido do que estamos falando está na Urcamp (Centro Universitário da Região da Campanha). Desde 2017 – ou seja, três anos antes da pandemia – a IES gaúcha conta com espaços onde os alunos realizam projetos multidisciplinares.

Localizada na cidade de Bagé, a Urcamp faz reuniões semanais com os alunos para elaborar soluções para os desafios da comunidade ou de uma empresa da região. Durante a pandemia, os encontros são online.

Na opinião de Teixeira, instituições que se anteciparam – como é o caso da Urcamp – ou aproveitaram o ensino remoto para fazer os movimentos necessários irão manter a sua relevância.

Já àquelas que fizeram movimentos tímidos e experimentais apenas para se adaptar ao novo contexto, e às que estão esperando o mundo voltar ao que era antes, cabe o alerta: a chance de perder relevância social e educacional é bem grande.

Leia mais: A Uniamérica estava preparada para a pandemia. O segredo? Ensino híbrido

ebook curricularização da extensão

Redação
A redação do portal Desafios da Educação é formada por jornalistas, educadores e especialistas em ensino básico e superior.

    VOCÊ PODE GOSTAR

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.