Ensino Básico

Como criar uma escola acolhedora para crianças e adolescentes surdos

1
libras

Libras no ensino básico: Brasil avançou, principalmente após oficialização da Libras, em 2002. Crédito: João Neto/ACS/MEC.

Todo aluno tem as suas singularidades e apresenta tanto dificuldades quanto facilidades em uma ou outra área. O mesmo ocorre com as crianças e os adolescentes surdos, que precisam da cooperação de toda a comunidade escolar para realmente aprenderem e se sentirem inclusos.

Ocorreram avanços nos últimos anos, principalmente a partir da oficialização da Língua Brasileira de Sinais (Libras) como segundo idioma nacional, em 2002.

“Assistimos a uma mudança vertiginosa no que diz respeito ao reconhecimento social [da Libras]. Mais e mais pessoas estão interessadas em aprendê-la e usá-la, expandindo assim o escopo de sua utilização em diferentes áreas, bem como incorporando os avanços tecnológicos”, escrevem Ronice Müller de Quadros e Marianne Rossi Stumpf, professoras associadas na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), na apresentação do livro Língua Brasileira de Sinais e Tecnologias Digitais (Penso, 2019).

“As conquistas são tão significativas que demandam várias formas de acesso à Libras nos mais diversos âmbitos da sociedade. Entre elas destacam-se a contratação de intérpretes de Libras na educação inclusiva e nas universidades, assim como a criação de glossários especializados”, acrescentam.

>> BAIXE UMA AMOSTRA GRÁTIS DO LIVRO LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS E TECNOLOGIAS DIGITAIS <<

No Brasil existem 65.612 estudantes com surdez, deficiência auditiva ou surdocegueira matriculados no ensino básico brasileiro – 87,3% deles em escolas regulares, segundo o Censo Escolar de 2018.

De acordo com Naiara Rodrigues Silveira Lacerda, supervisora na Escola Municipal de Ensino Fundamental para Surdos Vitória, em Canoas (RS), muitas crianças e adolescentes surdos só aprendem libras quando chegam ao ambiente escolar.

“É muito comum verificar que as famílias não têm conhecimento de libras, o que dificulta a comunicação dos filhos”, disse ela ao jornal Correio do Povo.

A instituição gaúcha tem mais de 40 alunos e conta com um projeto de intervenção comunicativa, além de uma turma por habilidades, formada por estudantes deficientes auditivos que apresentam outros comprometimentos. Todos os professores e funcionários do colégio Vitória têm proficiência em libras.

Leia mais: 3 dicas para facilitar o desenvolvimento de estudantes com autismo

Escolas inclusivas fazem diferença. “Na Escola Municipal Índio Piragibe comecei a estudar libras e desenvolvi bastante, porque presto mais atenção nas aulas e entendo o conteúdo com mais clareza”, disse Ana Carolina, aluna do 9º ano, em um evento alusivo ao Dia Nacional dos Surdos, celebrado em 26 de setembro, e promovido pela Secretaria de Educação e Cultura de João Pessoa, na Paraíba.

Quando ingressam no sistema de educação, os estudantes têm o direito ao acompanhamento de um intérprete de libras e/ou língua portuguesa, principalmente durante a realização e a revisão de provas, como define a portaria nº 3.284/2003.

O formato da avaliação deve ser adaptado às singularidades do aluno, assim como os critérios cobrados, seja de forma escrita, discursiva ou de redação.

libras

Alunos do ensino básico aprendem libras. Crédito: divulgação.

O Brasil ainda tem outras diretrizes para a implementação de medidas para uma educação inclusiva para surdos. A principal delas é a Lei Brasileira de Inclusão.

O artigo 27 trata do direito à educação e determina o que escolas e universidades devem oferecer aos estudantes para que desenvolvam seus talentos e habilidades físicas, sensoriais, intelectuais e sociais.

Entre as demandas está o acompanhamento de um profissional de apoio escolar para auxiliar na rotina do aluno.

Em setembro passado, o Ministério da Educação (MEC) anunciou que trabalha para garantir políticas voltadas a estudantes com deficiência auditiva. Entre elas está a implementação da formação continuada de professores de alunos com a deficiência.

Outra proposta é o aumento do número de escolas com ensino bilíngue, com aulas de libras – como primeira língua – e na modalidade escrita do português – como segunda.

Para isso, será necessária a contratação de mais intérpretes – que no ensino básico devem ter, no mínimo, ensino médio completo e certificado de proficiência em libras.

Estes profissionais podem se tornar obrigatórios nas escolas para possibilitar a comunicação com os pais ou responsáveis surdos, caso seja aprovado o projeto de lei n° 5188/2019, em tramitação no Senado. O relator da matéria admitiu uma sugestão para que as instituições optem por contratar os intérpretes para a capacitação da comunidade escolar.

Outras medidas para garantir o aprendizado e a comunicação eficiente entre professores e alunos incluem o uso de recursos de acessibilidade, como posicionamento estratégico em sala de aula, legendas e avisos luminosos.

A tecnologia assistiva também é um facilitador e tem se popularizado no Brasil. Um exemplo é o aplicativo Hand Talk, que traduz para libras áudios, textos, fotos e vídeos exibidos em computadores, tablets ou smartphones.

Leia mais: Tecnologia assistiva promove acessibilidade e equilíbrio na aprendizagem

Educação de alunos ouvintes

O ensino de libras nas escolas não contribui apenas para a educação dos alunos surdos. Repercute também nas casas de alunos sem a deficiência. É o exemplo de Maria Vitória Sousa, do Centro Educacional de Ensino Fundamental 03 (CEF 03), em Sobradinho (DF).

Filha de pais surdos, ela aprendeu libras na escola e melhorou a comunicação em casa. “Muitos de nós que somos ouvintes não sabemos libras, aí eles [os surdos] acabam ficando muito sozinhos e a gente não consegue se comunicar muito. Com a Libras, ficamos todos juntos”, disse Maria Vitória à TV Brasil.

libras

Estudante Maria Vitória Sousa. Crédito: TV Brasil.

Um exemplo do que Maria Vitória diz vem de Teresina, no Piauí. Por meio do projeto Libras no Pátio, alunos e professores prático da Escola Municipal Nossa Senhora do Amparo aprenderam a comunicação básica (perguntas do cotidiano, letras e números, dias da semana e alfabeto) em libras para incluir um aluno surdo que recém havia chegado à escola.

“Com o passar do tempo, os alunos foram gostando [da experiência]. Então hoje na escola temos aula de libras uma vez por semana”, contou Johanna Danniela Silva Sales, professora e gestora da instituição, em entrevista ao portal Cidade Verde.

Leia mais: Livro reúne experiências inovadoras e “radicais” na educação brasileira

Iniciativas para a socialização

Mas as escolas devem oferecer mais do que simples acesso à educação e ao aprendizado igualitário. Além do desenvolvimento acadêmico, o social precisa ser desenvolvido para a inclusão plena, garantindo condições para a permanência (evitando evasão) e a participação do aluno, em um espaço acolhedor e com oferta de serviços e recursos de acessibilidade.

Jogos e atividades recreativas, esportivas e de lazer são uma alternativa. A Escola Municipal de Ensino Fundamental para Surdos Vitória, por exemplo, trabalha com oficinas de esporte e artes em turno integral.

No processo de preparação para as aulas de teatro, os alunos assistem a peça em vídeo e sugerem alterações na montagem.

“Eles têm essa liberdade de sugerir cenas e se conectar com o que eles gostam. Como a língua dos surdos é muito expressiva, o teatro é perfeito. Libras é visual-espacial então eles podem se expressar e demonstrar muito bem suas emoções”, conta Josiane Tesch, que é professora de artes na escola.

Confira a série Inclusão e acessibilidade no ensino superior

VOCÊ PODE GOSTAR

1 Comentário

  1. (Como criar uma escola acolhedora para crianças e adolescentes surdos) GOSTEI MUITO DO CONTEÚDO
    LÍNGUA DE SINAIS NA PRÁTICA ,QUER APRENDER LIBRAS,CLIQUE AQUI
    https://www.makepages.com.br/r/AKG7440194

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.