Insights

Pela 1ª vez, negros são maioria em universidade pública. Mas desigualdade permanece

0
desigualdade educação

Diplomação de estudantes no Rio de Janeiro: escolarização de negros aumentou, mas desigualdade persiste. Crédito: Fernando Frazão/Agência Brasil.

Na universidade pública, o número de estudantes negros passou, pela primeira vez, o de brancos. A informação é da pesquisa “Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil”, feita pelo IBGE e divulgada na quarta-feira (13), a partir da Pnad Contínua.

Em 2018, o Brasil teve 1,14 milhão de estudantes autodeclarados pretos e pardos (50,3% do total), enquanto os brancos ocupavam 1,05 milhão (48,2%) de vagas em instituições de ensino superior (IES) federais, estaduais ou municipais.

A diferença de 1,5 ponto percentual é de alunos autodeclarados amarelos ou indígenas.

Segundo análises verificadas pelo portal Desafios da Educação, o avanço da população negra na universidade pública tem algumas razões. Entre elas, a universalização do ensino fundamental, a redução da evasão escolar e as políticas afirmativas, como cotas raciais e sociais. A autodeclaração das pessoas de cor preta ou parda nas pesquisas do IBGE também influenciaram a proporção.

Na rede privada, brancos seguem sendo maioria. Proporcionalmente, eram 52,3% em 2018. Negros, 46,6%.

Leia mais: Liderança feminina cresce nas instituições de ensino superior

Desigualdade permanece

Apesar dos pretos ou pardos representarem a maioria na universidade pública, eles permanecem sub-representados – uma vez que negros são 55,8% da população brasileira. Além disso, a desigualdade em relação a cor e raça persiste em outros campos.

Negros são maioria no desemprego: em 2018, eles representam 64,2% dos desocupados e 66,1% dos subutilizados.

Salários menores: o rendimento médio mensal das pessoas ocupadas brancas (R$ 2.796) foi 73,9% superior ao da população preta ou parda (R$ 1.608).

Menos cargos de liderança: no Brasil, a proporção de brancos (68,6%) em cargos gerenciais era maior que a de pretos ou pardos (29,9%). No Norte e no Nordeste, contudo, a proporção de pretos ou pardos em cargos gerenciais era maior em 2018 – 61,1% e 56,3%, respectivamente.

Segurança 1: negros têm quase três vezes mais chances de morrerem assassinados, segundo levantamento do IBGE.

Segurança 2: segundo dados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), mais da metade dos alunos pretos ou pardos estudavam em estabelecimentos localizados em área de risco – em termos de violência.

Leia mais: No Brasil, meninos têm mais chance de repetir de ano do que meninas

Redação
A redação do portal Desafios da Educação é formada por jornalistas, educadores e especialistas em ensino básico e superior.

    VOCÊ PODE GOSTAR

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.