EADEdTech

Tecnologia é indispensável para qualidade do ensino híbrido

0
25º Ciaed

Sessão de abertura do 25º Ciaed: ensino híbrido foi eixo principal do evento promovido pela Abed. Crédito: Mônica Bento/Aqui Produção/divulgação.

Destacar experiências e abordagens híbridas no ensino-aprendizagem na EAD. Esse foi o eixo central da 25º Congresso Internacional Abed de Educação a Distância (Ciaed), promovido entre os dias 20 e 24 de outubro na cidade mineira de Poços de Caldas (MG).

A iniciativa da Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed) e organizações parceiras teve a participação de 2 mil pessoas – de professores a gestores, de representantes de instituições de ensino superior (IES) aos de empresas do segmento educacional.

No primeiro dia do 25º Ciaed, o presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE), Luiz Roberto Liza Curi, afirmou que a educação a distância (EAD) não foi feita para reproduzir vagas e matrículas em excesso, mas para atender a demanda dos novos postos de emprego e atrair perspectivas econômicas positivas para o Brasil.

“A EAD tem que ser um projeto para salvar o país, não pode ser um projeto alternativo”, disse Curi no evento da Abed.

Leia mais: EAD deve ser pensada para o Brasil crescer, diz presidente do CNE no Ciead

Tanto na plenária de abertura quanto nas demais atividades, como palestras, apresentações de trabalhos científicos e workshops, os participantes enfatizaram a importância das tecnologias educacionais.

“O que defendemos é a qualidade de ensino – e a tecnologia, quando bem utilizada, proporciona essa qualidade”, disse Vinicius Dias, CEO da Algetec, em uma mesa redonda sobre realidade virtual, realidade aumentada e inteligência artificial aplicada à educação.

25º Ciaed

Vinicius Dias, da Algetec (de pé): quando bem utilizada, tecnologia melhora a qualidade do ensino e da aprendizagem. Crédito: Desafios da Educação.

No mesmo encontro, realizado no dia 22 de outubro, Mauro Gebran compartilhou experiências bem-sucedidas de aprendizagem com o uso de laboratórios virtuais da UniFaccamp, o Centro Universitário Campo Limpo Paulista, do interior de São Paulo.

Segundo ele, que é coordenador de cursos EAD da instituição, os laboratórios melhoraram “de modo consistente” os índices de aprovação. “Para nós, foi motivo de grande satisfação.”

Leia mais: Nova onda da EAD é híbrida. Saiba como surfá-la

Já o diretor de EAD do Grupo Ser Educacional, Enzo Moreira, salientou que as resistências à aplicação da tecnologia no ensino estão diminuindo e que os recursos tecnológicos representam um “divisor de águas” nos processos de credenciamento do MEC.

Moreira observou, no entanto, que é necessário aliar a alta tecnologia com o fator humano. “Não adianta mostrar uma parafernália de recursos tecnológicos se não capacitar o professor de forma continuada. Desse modo, poderemos fazer com que o docente consiga instigar os colegas e os alunos no uso das ferramentas”, afirmou.

NA mesma linha, o coordenador das disciplinas online do Grupo Cruzeiro do Sul, Hugo Fernandes, fez um alerta: apesar de qualificar e otimizar o tempo de aprendizagem, a utilização de chatbots (robôs de conversação) não substitui a ação dos tutores.

“É um tempo ganho à medida que conseguimos desafogar os tutores, que ficam mais disponíveis para dar orientações de cunho pedagógico aos alunos, enquanto os robôs cuidam das questões técnicas, estruturais e burocráticas”, afirmou Fernandes no 25º Ciaed.

Na Cruzeiro do Sul, os chatbots foram usados em duas disciplinas online de nivelamento, Matemática e Língua Portuguesa, que contam com 15 mil alunos alocados. Em 2020, a utilização dos robôs será ampliada para disciplinas como as de estágio para Licenciatura, com média de 30 mil estudantes.

Leia mais: Chatbots na educação: um novo jeito de aprender e ensinar

Neste ano, o Ciaed apresentou algumas novidades, como o EAD Talks, espaço destinado à discussão de ideias originais, além de iniciativas capazes de qualificar ainda mais a educação a distância.

A programação contou ainda com lançamento de livros e do Censo EAD.BR 2019, que mostra um avanço do ensino híbrido no Brasil. O relatório é anual e traz informações sobre a educação a distância no país, com dados sobre distribuição geográfica, número de alunos e tipos de cursos e de instituições.

Cabe destacar que o 25º Ciaed teve cobertura especial do portal Desafios da Educação e suas redes sociais – no Facebook, no Instagram e no Linkedin.

Leia mais: Quando a tecnologia está a serviço da educação

Redação
A redação do portal Desafios da Educação é formada por jornalistas, educadores e especialistas em ensino básico e superior.

    VOCÊ PODE GOSTAR

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.