EdTech

Como a tecnologia transforma a prática e o ensino de Medicina

0

Em 2018, o órgão regulador americano Food and Drug Administration (FDA) aprovou o uso de um equipamento para detecção de doenças de retina associadas à diabetes sem necessidade de validação por um médico. Pela primeira vez, um sistema autônomo de diagnóstico baseado em (IA) foi liberado.

Esse é apenas um exemplo de como a tecnologia está transformando o ensino de . A estimativa da Aliança Brasileira da Indústria Inovadora em Saúde (Abiis) é que existam aproximadamente 500 mil diferentes dispositivos tecnológicos em utilização no setor.

Eles são aplicados em áreas que vão desde simples exames laboratoriais até a complexa biologia molecular. E mais: são responsáveis por uma verdadeira revolução na atuação do médico e seu relacionamento com o paciente, na prevenção, no tratamento e na recuperação de enfermidades.

Leia mais: Por que o Brasil triplicou o número de faculdades de Medicina

cursos de medicina

Medicina da PUCPR: Brasil tem 305 escolas médicas, o triplo do registrado no 20 anos atrás. Crédito: divulgação.

Medicina de precisão e nuvem

O leque crescente de ferramentas digitais, associadas a análises de dados por sistemas de inteligência artificial, tem tudo para melhorar a precisão e a rapidez dos diagnósticos.

Eles já permitem, por exemplo, que as pessoas monitorem a própria saúde de forma contínua, avaliando riscos como o de desenvolver câncer ou uma doença cardíaca. Aplicativos e sensores estão sendo constantemente aperfeiçoados para verificar pressão sanguínea, arritmias ou pneumonia.

Essas informações, por sua vez, podem ser gravadas e facilmente consultadas em nuvem. Na Estônia, por exemplo, o hábito de concentrar resultados de exames, diagnósticos e prescrições antigas em consultórios, clínicas e hospitais acabou. Disponível desde 2008, o aplicativo e-Health armazena em nuvem 95% dos dados gerados em hospitais e consultórios clínicos.

“As soluções de saúde eletrônica permitem que a Estônia ofereça medidas preventivas mais eficientes, aumentando a conscientização dos pacientes e também economizando bilhões de euros”, explica o site do e-Health.

realidade aumentada

Cursos da área da saúde da UniRitter já utilizam recursos de Realidade Aumentada em sala de aula. Crédito: divulgação.

No campo dos diagnósticos, a tendência é que a tecnologia seja cada vez mais usada e assertiva. Para se ter uma ideia, um estudo mostrou que o IDx-DR – sistema aprovado pela FDA nos Estados Unidos – detectou corretamente a retinoplastia em 87% das 900 imagens clínicas analisadas.

Na medicina do futuro, a grande vantagem da inovação é utiliza-la para prevenir em vez de somente reagir às doenças.

Nesse campo, nenhuma tecnologia contribui mais quanto a inteligência artificial, especialmente na realização de diagnósticos por imagem. Enquanto isso, o tratamento evolui em diversas frentes, como cirurgias robóticas – seguras e menos invasivas – e no desenvolvimento de fármacos precisos. A reabilitação, por sua vez, tem encontrado na gamificação (uso de jogos) um importante aliado.

Revolução do ensino de Medicina

Se o exercício da Medicina está sendo transformado pela tecnologia, o ensino nas universidades não poderia ficar para trás. Nesse caso, talvez o maior impacto aconteça com a aplicação de dispositivos com capacidade imersiva, como a Realidade Virtual (RV) e a Realidade Aumentada (RA).

O Desafios da Educação, inclusive, já contou como instituições de ensino superior (IES) utilizam RA e RV na rotina de cursos da área da . O recurso permite aprender a teoria e a prática concomitantemente, acelerando o processo de aprendizagem.

Imagine, por exemplo, um futuro médico estudando em um laboratório virtual, com aulas filmadas em 360 graus. É o que proporciona o Ambiente Imersivo de Aprendizagem (AmbIA), desenvolvido pela Imersys, empresa especializada no desenvolvimento de conteúdo de RV.

cursos de medicina

Unifae, em São João da Boa Vista: IES estão proibidas de abrir novos cursos de Medicina. Crédito: divulgação.

Soluções educacionais como o da Imersys dispensam o uso de cadáveres nas aulas de anatomia. Afinal, é possível projetar a totalidade ou partes isoladas do corpo humano, melhorando a sua visualização, a compreensão do seu funcionamento e promovendo a interação em treinamentos.

“O aluno pode visitar um hospital virtual, observar e receber informações pedagógicas. O aprendizado é realista e próximo da prática, além de ser mais atrativo pois há muitas camadas de informação que podem ser buscadas de maneira ativa pelo estudante”, explica o diretor da Imersys, Igor Sales.

Leia mais: Quando a tecnologia está a serviço da educação

Redação
A redação do portal Desafios da Educação é formada por jornalistas, educadores e especialistas em ensino básico e superior.

    VOCÊ PODE GOSTAR

    Comentários

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.